segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Púlpito da Catedral Evangélica vira palanque político

E os candidatos dessas eleições já começaram a usar os púlpitos das igrejas como palanque político.
O deputado estadual Vaz de Lima (PSDB), por exemplo, já iniciou campanha na noite do último sábado (31 de julho) durante um culto especial de aniversário de 107 anos da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPI) – onde é ministro jubilado. Eu estava lá e presenciei tudo. Assim, como todo o Sínodo São Paulo, já que o fato aconteceu diante de entenas de pessoas no templo da 1ª Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo – conhecida no meio Protestante como a Catedral Evangélica de São Paulo – que fica na Rua Nestor Pestana, nº152, Consolação.

Ainda que não tenha pedido votos, no púlpito, ao invés de restringir às questões de fé, o líder do PSDB na Assembleia fez um discurso no mínimo estranho. Apesar de tomar o cuidado para não se identificar como candidato e deputado (o que foi feito por quem o anunciou), Vaz de Lima discursou com alto teor político e nacionalista, incitando os cristãos para mudarem a sociedade brasileira.

Na saída, militantes do deputado ainda distribuíram "santinhos" do candidato nos portões da Catedral.
Tudo absolutamente lamentável!

Não tenho nada contra o deputado, mas são ações como essa que me enojam e me desencorajam a votar em candidatos da chamada "bancada evangélica"... E essa suja mistura de religião com política partidária sempre termina em: alienação, controle, corrupção, favorecimento e o pior de tudo: Perversão do Evangelho.

É bom lembrar que, neste ano, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) acusou o deputado estadual Vaz de Lima (PSDB) de fazer propaganda eleitoral antecipada. O tucano distribuiu "santinhos" em Rio Preto (e cidades da região) tabelas da Copa do Mundo com a fotografia dele, que serpa candidato a uma vaga na Câmara Federal. O material foi entregue em diversos bairros da cidade ainda durante a primeira fase da Copa da África do Sul.

Já os fatos do último, apesar de não configurarem crime eleitoral (já que já se pode fazer panfletagem), são um claro CRIME EVANGELICAL. Mais: Se Jesus estivesse no local, arrancaria o deputado do púlpito e queimaria todos os panfletos distribuidos - assim como expulsou os mercadores da fé da porta do templo em Jerusalém.

Agora: se isso aconteceu numa igreja protestante tradicional, avessa aos escândalos, gritarias e teologias da prosperidade... imagine o que não deve acontecer nas entranhas das IURDs e outras denominações neopentecostais que possuem relaciones carnales com diversos grupos políticos.

2 comentários:

Anônimo disse...

é uma pena que se misture política e religião dessa maneira .O Deputado Vaz de Lima , já nos enoja há muito tempo . Os policiais e fiscais que comandam a sua vida política ,são os mesmos que arrecadam dinheiro sujo e que tentam comprar apoio político de pastores inescrupulosos .Está na hora da nossa comunidade dar um basta nisso .

Matozinho disse...

Se o pastor permiti que os lobos se aproximem das ovelhas...