sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Som de Sexta

Na edição de hoje do Som de Sexta, vamos ter duas canções: uma é bem sal da terra e outra é mais pimenta...rs
Ambas aproveitando a onda da escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Não. Não é Cidade Maravilhosa, de André Filho, muito menos Aquele abraço, do Gil.

Se eu fico feliz com a escolha do Rio e de meu país para abrigar as Olimpíadas? É claro que sim, mas não tento ver isso (sediar uma olimpíada) como o que pode ser a salvação para o esporte nacional, muito menos para o caos social e urbano do Rio de Janeiro.
Sediar um evento como esse é ótimo para vender o Brasil lá fora, insere o país no cenário mundial dos grandes jogadores.
Mas tem o lado real e mais podre disso tudo. Embora, esse seja meu desejo, não acredito que ficará LEGADO algum para a sociedade, assim como aconteceu nos Jogos Panamericanos. A não ser que a sociedade se mobilize. Espero que eu esteja errado.

A música mais apimentada é O Tempo não pára, de Cazuza. A música que vem em boa hora para que não nos esqueçamos da farra com o dinheiro público que será feita para essas olimpíadas. Enquanto isso, parte da população continua na miséria e vítima do caos da saúde e do transporte público. E a segurança e a reforma agrária continuam uma olimPiada, daquelas de humor bem de mal gosto.
"Transformam o país inteiro num p..., pois assim se ganha mais dinheiro. A sua piscina está cheia de ratos, suas idéias não correspondem aos fatos, o tempo não pára."
É Cazuza... só espero que o futuro olímpico não repita a farra do Panamericano. E o legado, hein?




Já o som mais salgado é o hino nacional evangélico. Pra Cima Brasil, de João Alexandre.


Preciso falar mais?
"Homens com tanto poder e nenhum coração. Gente que compra e que vende a moral da nação"
E ai... Agora com a Olimpíada como será o futuro do nosso país? Muda alguma coisa?

Nenhum comentário: