quinta-feira, 30 de abril de 2009

Gripe suína conquistando a América: Aqui é Palestra!

Mais uma vítima.
Dessa vez, no Chile!
Há suspeitas de que a gripe esteja chegando a São Paulo e já seriam 11 novas vítimas (que, dizem não ter problemas em assumir sua sexualidade) e deverão ser tratadas no Hospital São Luiz, quase ao lado do estádio do Morumbi.



Precisa comentar mais alguma coisa?

quarta-feira, 29 de abril de 2009

País corinthiano...

Egito decide sacrificar todos os porcos do país

O governo egípcio decidiu nesta quarta sacrificar toda o gado suíno do país, calculado em 300 mil cabeças, informa a agência de notícias governamental Mena.

O presidente do Egito, Hosni Mubarak, realizou hoje uma reunião com o comitê do Ministério da Saúde encarregado de estudar a possível incidência da gripe suína no país, após a qual a decisão foi anunciada, segundo a agência oficial.

Esta é a primeira iniciativa deste porte adotada por um Governo desde o surgimento do foco de gripe suína no México.

Fonte: Agência EFE [via Terra]

terça-feira, 28 de abril de 2009

Espirros em Slow Motion

Ao espirrar, uma pessoa expele o equivalente a 40.000 gotículas, sendo que estas podem ou não estar infectadas por alguma doença trasmissível essencialmente pelo ato de espirrar.

Assista, logo abaixo, ao vídeo que mostra como é um espirro em câmera lenta.






Você imaginava que era tão nojento assim?


Via Dormiu

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Indianos são obrigados a fazer gesto obsceno antes de votar


Governo controla pleito pintando ponta do dedo médio de eleitores.
No país, assim como no Brasil, mostrar dígito é considerado ofensivo.
Na hora de votar, os eleitores indianos foram convidados a fazer um gesto pouco educado. Não, eles não mostram o dedo do meio como uma forma de protestar contra os políticos do país. O movimento foi criado pela própria Justiça eleitoral do país, como forma de combater fraudes no pleito nacional.

Normalmente, ao votar, cada indiano tem a ponta do dedo indicador marcada com uma tinta especial, que demora para sair. Desta forma, mesários conseguem evitar que uma pessoa vote duas vezes. Mas como algumas cidades realizaram eleições municipais recentemente, ainda há pessoas com o indicador sujo, o que obrigou a Justiça a determinar a pintura da ponta do dedo médio da mão esquerda.

"Não percebi que estava fazendo um gesto obsceno até ver a foto nos jornais. É muito de mau gosto", disse o ministro-chefe do estado de Maharashtra, Ashok Chavan, ao "Times of India".

Na Índia, mostrar o dedo do meio tem o mesmo impacto do que em países ocidentais. Em 2005, o australiano Greg Chappell, então técnico da equipe indiana de críquete, provocou polêmica ao fazer o gesto para um grupo de torcedores.

Fonte: G1


S@lcompimentas: É bom lembrar que a origem deste sinal não tem nada de obscena e está relacionada a uma provocação dos arqueiros ingleses durante a Guerra dos 100 anos, entre Inglaterra e França.

Vampirismo gospel.

Conhecida como “monte sagrado” por fiéis de várias religiões, uma área de proteção ambiental em Cidade Tiradentes (zona leste da capital) está isolada por expor frequentadores a um perigoso risco à saúde: mordidas de morcegos. Com isso, mais de 2.000 religiosos que visitam o local estão precisando orar do lado de fora do terreno.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

No primeiro trimestre deste ano, pelo menos 35 pessoas já foram mordidas pelos mamíferos noturnos durante cultos religiosos no local, segundo levantamento feito pela Organização Social Santa Marcelina. A entidade gere, em parceria com a prefeitura, a AMA Fazenda do Carmo, unidade próxima à área verde, que é procurada pelas pessoas mordidas pelos morcegos.

O espaço, de propriedade da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo), sempre teve a entrada proibida por ser uma área de preservação ambiental. Os fiéis, entretanto, estouram as grades para fazer os cultos.

Com o registro das mordeduras, a área está com a segurança reforçada, segundo a CDHU. Além da recolocação das grades, seguranças ficam na frente do terreno para impedir que pessoas entrem. A prefeitura colocou faixas nas entradas para alertar sobre o risco de transmissão de raiva pelos morcegos.

A Santa Marcelina informou que nenhuma das 35 pessoas mordidas contraiu raiva. Elas foram medicadas na própria unidade de saúde.

Monte Sinai paulistano

O terreno é considerado especial pelos religiosos por ser um dos poucos montes altos ainda despovoados e com vegetação nativa da cidade. Segundo o frequentador Reginaldo Názaro dos Santos, 33 anos, os montes são locais ideais porque, para orar, Jesus procurava o monte Sinai.

De acordo com Eliete Fernandes, educadora ambiental da Santa Marcelina, há sextas-feiras à noite em que o local chega a receber 4.000 visitantes. “A sexta-feira já é a entrada do final de semana, por isso escolhem esse dia.

O frequentador explicou que os fiéis preferem o horário noturno para orar porque há uma passagem na Bíblia que diz que Deus ama aqueles que o procuram na madrugada.

A maioria dos frequentadores é evangélica, mas seguidores de outras religiões, como umbanda e candomblé, também visitam o monte, segundo relatos de fiéis. Eliete explicou que a área começou a ser degradada entre dez e seis anos atrás. “Além de correrem riscos, os religiosos devastam a área para orar.

Segundo ela, eles vêm de excursões de todo o Estado. “Colocamos as placas hoje a amanhã eles tiram e entram de novo. Estamos organizando reuniões com os pastores da igreja para fazer a conscientização sobre os riscos”, afirmou ela.

De fora

Os frequentadores do “monte” de Cidade Tiradentes estão indignados com a placa colocada pela prefeitura impedindo a entrada no local.

“É uma coisa errada impedir a gente de entrar. Não desmatamos. Subimos no monte para orar”, afirmou a dona de casa Rosângela Santos Lima, 32 anos. Ela afirmou que visita o monte toda sexta-feira há cerca de oito anos e que nunca foi mordida.

Já o cozinheiro Reginaldo Názaro dos Santos afirma que precisa frequentar o “monte” no extremo leste da capital durante 21 dias seguidos para agradecer ao novo emprego que conseguiu.

Ele disse que mora em Itaquera e pega três ônibus para chegar ao local. “Não vou desrespeitar a lei. Vou orar do lado de fora”, afirmou.

Assim como Santos, fiéis evangélicos que chegavam à área na sexta-feira precisaram orar do lado de fora.

Todos afirmam que, apesar de verem os animais, nunca foram mordidos por morcegos. “As pessoas feridas devem ser aquelas que não estão com as obrigações espirituais em dia com Deus”, supõe o ajudante de pedreiro Luciano Santos, 36 anos.

A aposentada Raimunda Agostinho da Silva, 78 anos, que vende doces e refrigerantes em um trailer na saída do monte, disse que já presenciou pessoas mordidas por morcegos. “Uma vez eu vi uma mulher que saiu com a perna sangrando.”

Fonte: Gazeta do Sul e Folha Online / Gospel+
Via: O Verbo

S@lcompimentas: Símbolos de vampirismo, satanismo e diversos cultos pagãos, morcegos são apenas criaturas de Deus como qualquer outra. Talvez, seja apenas um fenômeno ecólogico natural, já que os "crentes" invadiram uma área de proteção ambiental... Ou pode ser um recado do próprio Senhor contra as crescentes superstições em que nós (que nos declaramos evangélicos) estamos mergulhando. Fala sério: chamar um morro nos arredores de São Paulo de "Monte Sagrado" é demais para mim... (o que aconteceu lá para ser sagrado?)

Além disso, crentes invadindo área proibida (de preservação ambiental) e montando comércio ambulante no pé do "monte santo" só envergonham e escandalizam cada vez mais aquele povo que se diz "evangélico"...

O pastor subversivo


Eugene Peterson convoca pastores a retornarem para o duro trabalho de formar santos.

Poucos têm compreendido o ministério pastoral com mais clareza que Eugene H. Peterson, professor de teologia espiritual no Regent College, em Vancouver, no Canadá, por mais de três décadas. Kevin A. Miller, editor de Leadership (Liderança) – uma publicação irmã da Christianity Today, de onde este material foi retirado –, conversou com o professor e autor de vários livros sobre os seguintes assuntos:

A responsabilidade primordial do pastor - Meu trabalho como pastor é chamar as pessoas ao arrependimento, a negarem a si mesmas, pegarem a sua cruz e seguirem a Jesus. Se eu substituo “Arrependam-se” por “Como eu posso lhe ajudar a colocar sua vida em ordem?”, eu estou me distanciando do Evangelho. Se eu subtraio a parte do “seguir” e digo “Vamos descobrir como você pode viver melhor a sua vida definindo-a da maneira que você desejar”, quem precisa de Jesus? Algumas vezes eu me sinto como alguém que circula por Times Square, em Nova York, carregando um cartaz que diz: arrependam-se! Faz 35 anos que sou pastor e não acredito nem um pouco que as pessoas sejam capazes de definir para si mesmas o que necessitam. Nós não nos conhecemos. Nós precisamos de Deus para nos dizer o que necessitamos. A coisa mais importante que um pastor pode fazer é levantar-se diante da congregação todos os domingos e dizer do púlpito: “vamos adorar a Deus”. Se isto deixa de ser a tarefa primordial que eu executo em termos da aplicação de minha energia, imaginação e do modo como eu estruturo minha vida, então eu já não funciono como pastor. Nosso trabalho fundamental é formar santos.

Problemas - Os pastores de hoje enfrentam mais problemas do que os pastores de gerações anteriores? Eu sei que esta é uma geração confusa, difícil, e ferida. Mas é possível que a principal diferença hoje não seja o quanto as pessoas estão machucadas, mas o quanto elas têm a expectativa de serem aliviadas de suas dores. O século passado conheceu tanto sofrimento quanto o nosso tempo conhece – a rigor, bem mais do que conhecemos hoje. Pense apenas em todas as enfermidades, mortes de crianças, pragas. A grande diferença hoje é que temos esta mentalidade de que, quando algo está errado, pode-se consertar. Você não precisa conviver com nenhum desconforto ou frustração em sua vida. E o pastor está na linha de frente daqueles que são abordados com a solicitação: “Faça-me feliz. Faça com que me sinta bem”.

Pessoas e programas - O Evangelho é experienciável. Não importa a qual a situação da pessoa; como pastor, você diz: “Esta pessoa pode experimentar o Evangelho aqui”. Isto, contudo, envolve dar atenção às pessoas – que é a maneira mais ineficiente de se fazer qualquer coisa. É chato, e quando você faz isto, você sente estar desperdiçando tempo. Afinal, existem comitês para os quais é preciso correr e orçamentos que necessitam ser equilibrados. O que então deixamos de lado para cumprir com todas estas obrigações? Ouvir as pessoas e vê-las em suas singularidades sem esperar nada delas. Deixamos de lado justamente o essencial. Pois quando você deixa de prestar atenção, as pessoas são categorizadas e recrutadas.
A fim de criar tempo para as pessoas, de que os pastores têm de abrir mão? Eficiência. Controle. Resultados rápidos. A satisfação de agradar os outros. Estas coisas são, na realidade, terríveis, e abdicar delas resulta numa liberdade maravilhosa. Não existe nada mais satisfatório do que ser alguém que proclama o Evangelho, alguém que está ali para orar. Quando você faz isto, você se sente parte de algo original e criativo na vida das pessoas. Você assiste a ressurreição de vidas. Mas você não pode produzir esta ressurreição, pois ela nunca acontece quando você pensa que ela deveria acontecer.

Sociedade - Esta cultura é uma cultura maligna. Através da mídia, dos amigos, das conversas, nós somos constantemente alimentados com mentiras. E, como a maioria das mentiras é 90% de uma verdade, engolimos as mentiras sem maiores dificuldades. Assim, a verdade do Evangelho vai sendo sutilmente enfraquecida. Você pensa que está pregando o Evangelho, mas não está. E você nem mesmo tem consciência disto. O trabalho do pastor é orar e estudar a Palavra. As pessoas na congregação estão ocupadas em seus empregos, lendo seus jornais, e participando de suas conferências. Como pastor eu preciso estar alerta em relação à minha cultura, de modo a evitar que minha congregação seja seduzida por ela. Se eu não fizer este trabalho, ninguém o fará.

O ritmo do ministério - É estranho: nós vivemos neste assim chamado tempo pós-moderno, e, no entanto, muito da imagem pública da igreja ainda tem a ver com este modelo racional, baseado no gerenciamento eficiente. Se os pós-modernistas estão certos, este modelo é ultrapassado; ele já não funciona mais. Neste sentido, sinto-me confortavelmente pós-moderno. Pois acredito que pastores precisam cultivar o hábito da “desocupação”. Meu pai era açougueiro. Quando ele entregava carne num restaurante, sentava-se ao balcão, saboreava uma xícara de café, e gastava ali algum tempo. Mas aquele tempo era fundamental para construir relacionamentos, para fazer negócio. Alguns pastores não andam à toa pelas ruas, não desperdiçam tempo. Seu tempo é muito precioso. Eles correm para a tumba, e ela está vazia; então eles correm de volta para seus escritórios. Eles nunca vêem a ressurreição. Para se desocupar, o pastor precisa desvencilhar-se dos egos (o próprio e o de outras pessoas) e começar a lidar com almas.

Oração - Eu quero ir além da idéia de que oração é uma atividade solitária do tipo faça-você-mesmo. Tenho tentado compreender a magnitude da oração, o mistério da igreja em oração. De alguma maneira, eu quero descobrir como as pessoas podem desconectar-se um pouco da correria de nossa cultura e engajar-se na prática do silêncio e da solitude. Estou disposto a trabalhar com pessoas visando descobrir como fazer isto, mas este é um trabalho lento. A maior parte do trabalho pastoral é trabalho lento. Não se trata de um programa que você organiza e faz acontecer. O trabalho pastoral é uma vida. É uma vida de oração.


Fonte: Revista Cristianismo Hoje, via Práxis Cristã

Amor entre pais e filhos


Conheço muitos pais que não amam os filhos.
Também conheço em quantidade ainda maior filhos que não amam os pais.
Entretanto, quando os pais amam de verdade e os filhos também, nem assim o amor do filho será maior do que o amor do pai.
Eu amei e amo meus pais; hoje, entre nós, apenas a minha santa mãezinha permanece.
Sei que, por exemplo, em relação ao meu pai, além de filho, meio que nasci amigo dele. Mas somente foi assim porque ele era meu amigo antes de eu me sentir filho e amigo dele, ainda na infância.
Entretanto, mesmo louco por ele, fui capaz de levá-lo até ao inferno da dor e das aflições por mim na juventude.
O amava tanto, e sabia que o entristecia tanto, que, de repente, comecei a sentir um ódio conveniente dele...
Depois veio a conversão... E com ela a nossa amizade se tornou paternal e filialmente eterna.
Todavia, hoje, me lembrava de como amava a ele a minha mãe, mas, no auge de tudo, no tempo dos píncaros de compromissos, muitas vezes eles vinham ao Rio estar comigo — pois, eu andava sem tempo de ir à Manaus — e eu não podia estar com eles...
Assim mesmo os bichinhos ficavam lá, entretendo os netos, buscando me viver e me provar sem mim...
Eu, porém, os amava; embora, meu amor não visse a importância do sacrifico deles...
Foi preciso que meus filhos crescessem e passassem a me amar com a mesma dedicação de tempo que eu dava aos meus pais para que eu entendesse meus pais; ainda que eles nunca tenham me dito nada.
E quando decidi reclamar dos filhos que nem sempre me sentia nas prioridades deles, depois que ficaram adultos e eu me dispunha a parar tudo para estar com eles, foi que, de súbito, me lembrei que fizera a mesma coisa, embora amando, e que meus pais nunca me haviam dito nada.
Hoje eu sei que até nisso Jesus foi o Único.
Sim! Ele foi e é o único filho a amar o pai assim como o pai ama o filho!
O ideal de Deus em Jesus é que todo filho cresça para amar o pai assim como o pai ama o filho; quando há amor, é claro.
Entretanto, enquanto isto, devemos saber que são os pais que entesouram para os filhos, e não os filhos para os pais.

Nele, que me ensina a ser filho a fim de que eu possa ser pai,


Caio Fábio, 24 de abril de 2009, Copacabana
no site www.caiofabio.com

terça-feira, 21 de abril de 2009

Profetiza ou feiticeira gospel?



Questionemos, pois, cristãos:

Onde está o nome de Deus no folheto? Ou a "profetiza da TV" é auto-suficiente para salvar a humanidade?

Por que ela pode mudar o rumo da minha vida? será que já não basta o que o Senhor Jesus fez por nós para termos nossas vidas transformadas? E mudar o quê? Mudar aquilo que não satisfaz os anseios egocêntricos e antropocêntricos? E como confrontar João 16.33 com a célebre e universal frase "Pare de sofrer"?

Ela nasceu com os dons? Nasceu?! Ela já leu bem 1 Co 12? Se é que nasceu, com o dom de discernir os espíritos não deve ter sido por questões óbvias (1 Jo 4.1). Além disso, é o Espírito quem reparte os dons (1 Co 12.11) para aquilo que é útil (1 Co 11.7) e para a edificação da Igreja (1 Co 14.12), e não para uma falsa profetiza promover sua imagem perante os pobres cristãos incautos.

Encerro questionando a especialização da profetiza: desmanchar trabalhos de macumba, inveja e feitiço. Traga uma peça de roupa para ser revelada (?).
Pergunto aos leitores: Profetiza ou feiticeira gospel?

"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores." (Mt 7.15)

A-BD®

Fonte: Assem-BERÉIA de Deus [via Bereianos]

O ocaso do trono do cristianismo

Gente Boa de Deus!
O fato é o seguinte:
A Era do Cristianismo acabou na Terra!
O Cristianismo não acabará, é claro; mas o tempo de seu poder determinante, acabou.
Ora, para os cristãos isso parece uma blasfêmia, algo que contradiz a afirmação de Jesus: "Edificarei a minha Igreja, e as portas do Inferno não prevalecerão contra ela".

Falo, entretanto, do Cristianismo, não da Igreja de Jesus. Ao contrario, com ofim da Era do Cristianismo, agora, depois de muito tempo, enfim os discípulos terão outra vez a chance de viver e pregar sendo "bem conhecidos, porém, ignorados" — o que lhes dará um poder de sal, de luz e de fermento.

Cristianismo é uma coisa.
Igreja é outra.

O Cristianismo é esse caixão no qual se tentou aprisionar Jesus e a Igreja nos últimos 1700 anos. Graças, porém, a Deus, o Evangelho sobreviveu ao Cristianismo e à “Igreja” como Potestade humano/espiritual. A Igreja [sem aspas] é o povo que amou a Deus dentro e fora do caixão, jamais confundindo a fôrma da “igreja” com a vida segundo o Evangelho.

O Cristianismo se tornará uma das religiões da Terra, mas perderá quase que por completo a sua hegemonia Ocidental. Na realidade, talvez ainda tenha ar na América Latina e na África por mais um tempo, mas a tendência será a perda de importância política e religiosa, sem falar na perda das determinações “morais” que o Cristianismo impôs por quase dois milênios.

É fato que o Cristianismo, além de milênios de obscurantismo, também gerou outras coisas que não podem ser chamadas de más; apenas. No entanto, tenha sido pelo obscurantismo, tenha sido pelo movimento pendular anti-obscurantista produzido pela revolta contra o atraso imposto como dogmas, o fato é que até aquilo que surgiu como “avanço” promovido pela vanguarda cristã Ocidental, ainda foi movimento reacionário, e, por conseguinte, gerou polarizações que se expressaram como avanços apesar do Cristianismo; embora, somente em um ambiente com as categorias mínimas do Cristianismo os tais avanços pudessem ter sido feitos.

Assim, o Cristianismo acaba sendo culpado até que pelo que houve de avanço no ocidente, tanto por ter se oposto antes, durante e depois, como também por que em razão disso, insiste em tratar as coisas apenas à revelia, gerando freqüentes e desnecessários enfretamentos mútuos.

A tendência futura é privilegiar caminhos espirituais, veredas de ensino, corpos de compreensão de natureza espiritual. Daí eu vir dizendo há anos que eu creio que, fora o fundamentalismo islâmico, que continuará a crescer atendendo a uma forte demanda de segurança fundadas nos valores do passado — os demais grupos a crescer serão os de linha Budista, Taoista ou Hindu; com as obvias adaptações esotéricas/ocidentais.

Mas como disse, isso em nada atrapalha o Caminho do Evangelho, a verdadeira Igreja, o real povo de Deus no mundo! Fique de olhos abertos, a começar da Europa e da América do Norte, e você verá que o que digo já começa a ser, e, certamente, tornar-se-á...

Texto de Caio Fábio


Leituras complementares no site caiofabio.com:


O CRISTIANISMO COMEÇA A CAIR NA AMÉRICA…

A FÉ EM JESUS É UMA RELIGIÃO?

E O CRISTIANISMO VENCEU O MUNDO...

COMO O CAMINHO DO EVANGELHO VIROU CRISTIANISMO

COM A MORTE DO “PAI CRISTIANISMO”, DEUS ESTÁ ÓRFÃO?

QUERO JESUS, MAS TENHO DIFICULDADES COM O CRISTIANISMO

COMO SERIA O MUNDO SEM O “CRISTIANISMO”?


segunda-feira, 20 de abril de 2009

Salve o tricolor paulista


lembrancinha p/ os são-paulinos que ontem tripudiaram após a eliminação do meu Palmeiras. =)

via PavaBlog

O império de (P)Edir Macedo

Bispo Edir Macedo colocou, em silêncio, os pés nas águas do Twitter. Por enquanto, ele tem apenas 98 seguidores. Acabo de me tornar o 99º.

O fundador e líder da Igreja Universal do Reino de Deus está, como sempre, antecipando os novos rumos da mídia. Acompanho a trajetória dele há um bom tempo. Em 1987, quando morava em Nova York, fui acordado em plena madrugada com o som da TV que havia esquecido ligada, por alguém gritando em português. Era o bispo iniciando a trajetória de czar das telecomunicações, num canal à cabo de baixíssima audiência do bairro do Queens.

Hoje, a Universal, segundo fonte da própria igreja, está em 172 países com cerca de 15 milhões de fiéis. No twitter, sou um mero protozoário perto do bispo. Tenho pouco menos de 33 mil seguidores. Portanto, quando o assunto é "followers", o bispo Macedo é "o cara".

Bem-vindo, de verdade, Bispo Macedo, ao twitter. Opção religiosa e prática espiritual é uma decisão inalienável, indiscutível e livre de cada ser humano.

Muito em breve devo perder o posto de número 1 no twitter tupiniquim. É isso aí, irmãos. Sigam o bispo e me libertem desse karma. Aleluia!

PS: Deixo aqui meu primeiro comentário ao twitter do bispo. Hoje, ele publicou um vídeo onde fala sobre os perigos da fé vinculada à emoção. É minha impressão ou colocaram um fundo de violinos para turbinar suas palavras? Não seria uma contradição ao seu próprio sermão, meu caro Edir Macedo?

fonte: Blog do Marcelo Tas
dica do Francisco Salerno Neto

nesta manhã me tornei o seguidor número 597 do didi. aos desavisados, ele não segue ninguém (nem nada): ortodoxia, hermenêutica, ética...

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Idolatria evangélica a Israel: onde vamos parar?


Os hebreus no Antigo Testamento eram conhecidos pela sua freqüente queda diante da idolatria. Era talvez o pecado no qual eles mais incorriam. E os evangélicos, esquecendo o Novo Testamento e as doutrinas mais básicas do Cristianismo, estão caindo num novo tipo de idolatria: a idolatria de símbolos judaicos e do Estado secular de Israel.

A arca da aliança está de volta, invadiu as igrejas evangélicas. Nosso povo tendente a superstição e preguiçoso para estudar, busca objetos sobre os quais possa apoiar sua fé. Isso é idolatria, e a idolatria é totalmente contrária ao culto em espírito e verdade que se espera dos cristãos. Isso sem falar na idolatria à outros símbolos judaicos, como a Menorah, o Shofar, e o culto à bandeira do estado secular de Israel, sendo que para nós cristãos, não existe mais judeu nem grego, todos são iguais diante de Deus. Vale mencionar também as excursões de evangélicos a Israel, muitas delas para participar de rituais de “fogueira santa”, e banhar-se no rio Jordão, como se suas águas fossem milagrosas, ou levar de lembrança um pouquinho de areia dos desertos. E claro, não se esqueçam do óleo ungido de Israel.

Até quando vamos cair nos mesmos erros? Será que os evangélicos ainda não entenderam que nós cristãos estamos sob a graça e não mais sob a lei? Será que ainda não entenderam que não somos judeus? Ligar-se ao estado secular de Israel de alguma forma, mesmo corrompendo o evangelho de Jesus, tornou-se uma obsessão dos evangélicos, deve ter até algum fundo patológico, devem se achar inferiores por serem cristãos, querem ser judeus, ter status de judeus sem serem judeus de fato. Então meus caros, se é assim, abandonem o Cristianismo e abracem o Judaísmo, circuncidem-se e sigam todos os rituais judaicos, é melhor isso do que continuar essa palhaçada idólatra. Escolham o que vocês desejam ser, cristãos ou judeus, e sejam leais a essa escolha. Cristão adora a Deus em espírito e em verdade, não precisa de objetos, sejam quais forem. Será que não conseguimos enxergar que tudo isso visa é perverter ainda mais o Cristianismo?

E não, não tenho nada contra judeus nem contra o Judaísmo, e essa idolatria evangélica de objetos judaicos, perverte também o verdadeiro Judaísmo, pelo menos no meu ponto de vista.

Existe até um site que comercializa réplicas pequenas e grandes da arca da aliança a preço de ouro, a que ponto chegamos…

“Agora a arca da aliança irá entrar, quando ela estiver entrando, vocês vão olhar para ela, se possível, tocar nela, e fazer um pedido, e Deus irá conceder o pedido que vocês fizerem.”

“Nesse momento eu estarei distribuindo réplicas da arca, vocês virão, só os que crêem, e irão pegar a arca com a mão direita. Levarão a arca para casa, deixarão de hoje até amanhã num lugar específico. E amanhã vocês devolverão a arca com uma oferta a Deus.”

Uma réplica grande, de metal, da arca da aliança, pode ser levada pra casa, pela módica oferta de R$ 10.000,00. A réplica média, pede uma oferta de R$ 5.000,00, e a menor, uma oferta de R$ 1.000,00.

Evidente que só podia mesmo ter interesse financeiro por trás disso, não é? Sempre quando existe distribuição de objetos de idolatria, há alguém ganhando dinheiro por trás. E ainda por cima esquecem que a oferta que agrada a Deus, é aquela feita com alegria e amor, não importando o valor, o que vale mesmo para Deus é a intenção do coração de quem está ofertando. E vender objetos para justificar ofertas suntuosas, é mercantilismo, os vendilhões do templo também voltaram. Quem será o primeiro a empunhar o chicote para expulsá-los?

Fonte: veSHAME gospel [via Bereianos]

Bem no rim


No mês passado esteve no Brasil aquele que, com movimentos rápidos e sutis, consegue derrubar qualquer um que apareça na sua frente. Não, não foi o Mike Tyson, ele ainda existe? Estou falando do mega-ultra-televangelista-super-sayajin-nível 4, Benny Hinn.

Ele que no início de sua carreira, quando telefonou para sua mãe para dar a notícia de que havia se tornado pastor, disse: “Mãe, tá sentada?”, “Claro meu filho”, “Então levanta pra cair!”. Pois é, esse é o Benny.

A princípio ele achou o povo brasileiro meio pra baixo, meio “caído”, mas logo percebeu que mesmo assim teria muito trabalho pela frente.

Hinn demonstrou bastante interesse pela música brasileira e afirma que já tem suas prediletas: “Cai, cai balão” e “Beber, cair e levantar”. Os que conseguiram ficar em pé durante a apresentação do showman afirmam que foi ótima!

Benny até deu algumas dicas para os fãs brasileiros. Quando perguntado sobre os poderes de seu paletó, respondeu prontamente: “graças a Deus, venho mantendo meu voto de não lavar aquele paletó há mais de 10 anos, desde que corri uma maratona de 20 km vestido com ele...” Tá explicado, Benny!

Uma mãe muito entusiasmada com o evento afirmou: "Benny é maravilhoso, derrubou meus três filhinhos." Ele ainda recebe elogios por isso? Quando eu derrubava alguém na escola, no máximo o que eu ganhava era uma advertência. Os tempos mudaram.

Em entrevista, o Papa Evangélico afirmou que ama fazer esportes. “Gosto de pára-quedismo, só para sentir a queda-livre.”

Apesar da fama que o pregador obteve no Brasil, teve quem não gostasse também. O lutador de vale-tudo Wanderley Silva afirmou: “Quem esse cara pensa que é? Sou 'duro na queda' e desafio ele. É só marcar a hora, o local e ‘cair’ pra dentro.” Aliás, como seria chamada essa nova modalidade de combate? Uma "Benny Rinha"?

Benny até tentou marcar a luta com Wanderley pela Internet, mas parece que teve alguns problemas porque sua conexão “cai toda hora”.

Já percebi que para ele a única coisa que permanece inabalável mesmo é a arrecadação. Cuidado Benny, um dia a casa cai!

Pra quem não ligou o nome à pessoa, senhoras e senhores, tirem as crianças da frente do pc... com vocês, Benny Hinn.



Fonte: blog do Wander Ribeiro via [ PavaBlog ]

quinta-feira, 16 de abril de 2009

"Esse é o Cara!" que nunca vê nada...

Lula nega ter visto dinheiro roubado em episódio de South Park

Presidente está entre líderes que dividem dinheiro alienígena. Episódio foi ao ar nesta quarta-feira (15) nos EUA.
Foto: Reprodução

Lula em episódio de South Park. (Foto: Reprodução)

Luiz Inácio Lula da Silva fez sua primeira participação especial (bem curta) no desenho animado South Park, em um episódio que foi ao ar nos EUA nesta quarta-feira (15).

(Atenção: esta reportagem contém ‘spoilers’, já que fala de um episódio ainda não apresentado no Brasil)

O episódio, chamado “Pinewood Derby”, pertence à 13ª temporada do desenho, e mostra a Terra ameaçada por um bandido alienígena.

Depois de matar o ladrão, os líderes de todo o mundo resolvem dividir o "dinheiro espacial" que o alienígena havia roubado, em vez de o devolver. Quando a polícia intergalática chega para reaver o dinheiro, Lula é um dos líderes (ao lado do francês Nicolas Sarkozy e do britânico Gordon Brown, entre outros) que tentam negar a existência do produto do roubo.

Esse não é o único reconhecimento internacional alcançado pelo presidente brasileiro. Recentemente, durante a reunião de cúpula do G-20, Barack Obama, presidente dos EUA, disse que Lula é "o cara".

Brasil animado

O Brasil já figurou outras vezes em desenhos da TV dos EUA. Alguns dos casos mais célebres aconteceram em “Os Simpsons”: em 2002 a família amarela fez uma viagem para o país no episódio “O feitiço de Lisa”, mais especificamente, para o Rio de Janeiro. A cidade aparece como um perigo para turistas, com macacos andando nas ruas e com Homer sendo sequestrado por um taxista.

Quem não gostou do episódio foi a secretaria de turismo do Rio, que havia investido U$ 18 milhões na época para melhorar a imagem da cidade no exterior e chegou a ameaçar processar a Fox, produtora do desenho. No fim, os produtores do programa acabaram pedindo desculpas pelo programa.

A fama do futebol brasileiro também serviu de tema para Os Simpsons: Pelé apareceu, dublado por dublado por Hank Azaria (o cinegrafista do filme "Godzilla"), em um episódio de 1997 em que ele dá o pontapé inicial na partida entre México e Portugal em troca de um saco de dinheiro.

Já o ‘Fenômeno’ Ronaldo colocou sua própria voz no desenho, onde ensina as regras do futebol para Homer Simpson, que resolve ser árbitro das partidas de futebol infantil de Lisa.

Fonte: G1

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Viciados em igreja! Realidade ou mito?


Hoje em dia nós ouvimos falar em várias igrejas famosas, nomes importantes de "pastores" que dizem ser milagreiros, curam desde um simples resfriado a um câncer de prostata que você nem sabia que tinha.

Podemos citar aqui o bom e velho Edir Macedo, com sua macumba gospel na IURD e o famoso RR Soares e suas "orações fortes". Esses são dois dos muitos exemplos de "drogas" que vem viciando e prejudicando o cristianismo durante os anos.
Porque "viciados em igreja"?

Pelo simples fato de que a pessoa fica presa a tal local para resolver seus problemas.

Imagine que você está desempregado, sem dinheiro e cheio de dívidas, ou está com uma doença gravíssima, derrepente você se depara com um enorme outdoor que diz: Venha para igreja X, todos os seus problemas serão resolvidos...blá blá blá...

Chamativo para quem está em desespero não?

Pois bem, esse circulo vicioso de solução dos problemas acaba criando um vício no qual a pessoa faz qualquer coisa para obter uma solução do problema, bem semelhante a qualquer droga, como crack, maconha, etc.

Induzidos pela fácil resolução, os "fieis" vão até o local TODA AS VEZES QUE TEM PROBLEMAS! O problema é que isso os torna incapazes de agir e de confiar em Deus, os torna inertes e irracionais, a ponto de apelarem para um curandeiro, ou um boacumbeiro, vidente ou seja lá qual aberração for.

Como consequência essas pessoas NUNCA tem libertação completa e NUNCA saem do vício, porque se sentem presas a "fulano que cura" a "beltrano que tem a solução" e cada vez que elas tem algum problema elas voltam e SE VICIAM NOVAMENTE, buscando atalhos e soluções rápidas para seus problemas como se Deus fosse um guru, um cara ao qual você puxa o saco e traz "oferendas" para obter "vantagens".

Mas porque pessoas são curadas?

Algumas pela misericórdia de Deus, para a Glória de Deus, mas se são livradas de um problema, logo são cobertas por outros e não conseguem sair porque ainda são meninos incapazes de agir e pensar por si mesmos, ou até entender que tudo tem um propósito e NÃO É OBRIGAÇÃO DE DEUS CURAR NINGUÉM!

Tal fato me lembra a passagem de Mateus 8:24...(acho q é essa)

Quando o mar se levantou contra os discipulos eles ficaram desesperados achando que iriam morrer, mas se esqueciam que Jesus Cristo estava com eles e nada de mau poderia lhes acontecer.

Tanto que eles acordaram Jesus e o mesmo acalmou a tempestade, mas eles foram chamados de homens de pouca fé, porque temeram mesmo estando com Cristo...

Talvez o homem seja movido pelo seu medo, medo de morrer, medo de ficar pobre, de passar fome, medo de pecado, medo de diabo... isso é bastante proveitoso para alguns "lobos", porque é facil manipular dessa maneira.

Mas usar isso como jogada de marketing para "chamar fiéis" para a igreja. É certo?
Errado, Deus não é obrigado a resolver problemas, não é psicanalista para estar de hora marcada numa igreja X ou Y. Deus age como ele quer.

O que eu digo é que se confiarmos em Deus e vivermos uma vida Cristã digna, seremos ligados somente a Jesus Cristo, e este por mais que pareça "dormindo" (para alguns Tomé's que só acreditam vendo), Ele enfrentará as "tempestades" conosco para que NUNCA MAIS voltemos a passar pela mesma coisa, e prossigamos nosso caminho de maneira reta.

Se você está lendo este texto e se identifica com um viciado em igreja, acredite: Apenas Jesus Cristo é capaz de lhe ajudar nas suas dificuldades e tormentos e mais ninguém tem a solução senão Ele.

Deus NUNCA vai te livrar de nenhuma responsabilidade e nenhum "aperto" porque ele é justo! Mas com Ele você vai devagar, mas vai bem além dos que buscam atalhos.

Deus abençoe vocês.

Fonte: Blog do Leco [via veSHAME gospel ]

Misticismo evangélico: "tocando o manto sagrado"?



[...]foi um momento onde as pessoas exerceram a sua fé. Na manhã do domingo (05), Bispo Rodovalho junto com a sua equipe de líderes, diáconos e pastores estenderam o manto sagrado e muitas pessoas passaram por ele fazendo uma alusão da campanha. “Quantos vieram para ter um toque de fé? Você só precisa disso para que o seu milagre seja liberado do céu”, disse Bispo Rodovalho[...]

Fonte: [ www.saranossaterra.com.br ]

Eu gostaria de saber do pessoal desta denominação: Aonde está na Bíblia base bíblica para utilização de um "manto sagrado" para ser um canal de benção e de fé entre Deus e o homem?

Exercer a fé através de objetos? Mas a fé não vem pelo ouvir a palavra de Deus (Rm 10:17)? A fé não é a convicção de fatos que se não veem (Hb 11:1? Este conceito de fé pregado por esta denominação (e por muitas outras) está totalmente equivocado!

A Bíblia diz exatamente o contrário do que é ensinado por esta denominação: "Temos, portanto, sempre bom ânimo, sabendo que, enquanto no corpo, estamos ausentes do Senhor; visto que andamos por fé e não pelo que vemos." 2 Co 5:6-7

"...visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé." (Rm 1:17)

Para um estudo aprofundado sobre o assunto, clique aqui!

RM

[via Bereianos]

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Tchau

(12:20) Rocha: Vim aqui dizer adeus
(12:20) Rena : ue porque ?
(12:20) Rocha: Vou me embora
(12:20) Rena : pra onde ?
(12:20) Rocha: Para longe
(12:20) Rena : UE MAS ONDE ?
(12:21) Rocha: muito longe
(12:21) Rena : OUTRO PAÍS ?
(12:21) Rocha: Um lugar onde s não poderão me encontrar por muitos anos
(12:21) Rena : EU HEMM QUE ISSO
(12:21) Rena : PORQUE TÁ INDO ?
(12:22) Rena : O QUE HOUVE PRA VC SAIR ASSIM
(12:22) Rocha: Pq cansei dessa vida
(12:22) Rena : AIIAIA PARA COM ISSO
(12:22) Rena : SUA MA~E VAI TAMBÉM COM VC ?
(12:22) Rena : MÃE
(12:22) Rena : SUA FILHA?
(12:22) Rocha: Não
(12:22) Rocha: Onde só posso ir sozinho
(12:23) Rena : QUE ISSO GUSTAVO O QUE HOUVE PRA VC IR ASSIM
(12:23) Rocha: Boa sorte para
(12:23) Rena : VEM KÁ
(12:23) Rena : PERA AI
(12:23) Rocha: Estarei torcendo por
(12:23) Rena : QUE DIA VC VAI ?
(12:23) Rocha: Hoje
(12:23) Rena : HOJE ?
(12:24) Rena : ME DA SEU TELEFONE QUERO FALAR COM VC
(12:24) Rocha: Não dá, m cel está bloq
(12:24) Rena : QUE HORAS VC VAI ?
(12:24) Rena : ME DÁ DA SUA CASA UE
(12:24) Rocha: Daqyu a cerca de 3 h mais ou menos
(12:24) Rena : MAS VC VAI PRA ONDE ?
(12:25) Rocha: Não posso dizer
(12:25) Rena : POXA
(12:25) Rena : NÃO CONFIA EM MIM NÃO É ?
(12:25) Rocha: SE puder emtrar em contato qundo estiver lá, entrarei
(12:27) Rocha: Vc gosta da sua vida ?
(12:28) Rocha: Gost a de esta r viva ?
(12:28) Rena : GOSTO
(12:28) Rocha: Eu não
(12:28) Rena : MAS PORQUE VC ACHA ISSO ?
(12:28) Rena : TEM PESSOAS PIOR QUE A GENTE E VIVE FELIZ DA VIDA
(12:28) Rocha: Pq fui abandonado pelas pessoas que deveriam me amparar
(12:29) Rena : MAS ISSO É MOTIVO DE VC FUGIR NÃO ?
(12:29) Rocha: Então desisti
(12:29) Rocha: Não vou fugir
(12:29) Rena : TA DESISTINDO MUITO FÁCIL DEIXA DE SER BOBO
(12:29) Rena : ENFRANTA A SITUAÇÃO
(12:29) Rena : VC TEM UMA FILHA LINDA
(12:29) Rena : OLHE PRA ELA
(12:29) Rocha: Já enfrentei, e não vi saídas
(12:30) Rena : MAS SEMPRE TEM UMA SAÍDA
(12:30) Rocha: Ficará melhor sem mim
(12:30) Rena : FALA ASSIM NÃO
(12:30) Rocha: A mãe dela já arrumou outro pai para ela
(12:30) Rena : MAS NUNCA VAI SER COMO VC
(12:30) Rena : VC É O PAI DELA
(12:30) Rocha: E a saída é a que encontrei
(12:31) Rocha: Estou já ficando zonzo
(12:31) Rena : QUE ISSO VC É HOMEM TÃO EQUILIBRADO
(12:31) Rena : GUSTAVO VC NÃO FEZ BESTEIRA NÃO NÉ ?
(12:31) Rocha: e ainda tebho mui s pessoas para despedir
(12:31) Rena : AIAI
(12:31) Rena : FAZ ISSO COMIGO NÃO
(12:31) Rocha: Mas cheguei em meu limite
(12:31) Rocha: Tchau

papo no msn entre o médico mineiro gustavo e a amiga renata, pouco antes de ele entrar em choque. ele se suicidou aos 34 anos c/ uma overdose de medicamentos na última quarta-feira em governador valadares.
Fonte: PavaBlog

Eu não evangelizo


Se evangelizar é encontrar uma pessoa na rua e com toda cara de pau dizer "Jesus te ama" e dar as costas, eu não evangelizo.

Se evangelizar é tocar hino nas praças e ir para casa se achando o máximo, eu não evangelizo.

Se evangelizar é ir numa marcha para fazer propaganda de igreja e cantores, eu não evangelizo.

Se evangelizar servir para arrastar pessoas para igreja quando tem festinhas com comida e montar esquemas para ela se sentir bem-vinda somente naquele momento, eu não evangelizo.

Se evangelizar é entregar folhetos que serão jogados no chão e criará mais sujeira nas ruas, eu não evangelizo.

Se evangelizar é pregar com base para embutir culpa nas pessoas bombardeando-as com idéias de pecado e conseqüentemente o inferno para os maus e céu para os bons, eu não evangelizo.

Se evangelizar é convencer as pessoas a se protegerem do mundo dentro de uma igreja que acaba se tornando um bunker contra toda guerra espiritual e ofensivas do diabo, eu não evangelizo.

Se evangelizar é sistematizar o Evangelho, eu não evangelizo.

Agora se evangelizar é caminhar junto, estar presente na vida das pessoas, ser ombro amigo, chorar e rir em vários momentos, então eu creio que eu evangelizo.

Afinal entendo que o maior evangelismo de Cristo, foi estar ao lado, foi comer junto e presenciar toda a aflição e alegria do teu próximo.

Creio que evangelizar é sinônimo de relacionamento. O verdadeiro evangelho não é feito de seguidores e sim de amigos.

Portanto, se evangelizar é partilhar o pão nosso de cada dia, eu evangelizo.

Fonte: blog Lion of Zion

Os 10 versículos mais fortes que os teólogos da prosperidade ignoram na Bíblia

10. E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os
cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e
fica infrutífera; Mt. 13.22 / Mc. 4.19

9. Há um grave mal que vi debaixo do sol, e atrai enfermidades: as
riquezas que os seus donos guardam para o seu próprio dano; Ec. 5.13

8. Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a
pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume;
Pv. 30.8

7. De nada aproveitam as riquezas no dia da ira, mas a justiça livra
da morte. Pv. 11.4

6. Vale mais ter um bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado
é melhor do que a riqueza e o ouro. Pv. 22.1

5. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e
nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos
com muitas dores. ITim. 6.10

4. Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição,
pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro. At. 8.20

3. Quem amar o dinheiro jamais dele se fartará; e quem amar a
abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade. Ec. 5.10

2. E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa:
vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no
céu; e vem, toma a cruz, e segue-me. Marcos 10.21/Mateus 19.21

1. Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo
consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mateus 16.9

Bônus para os que querem voltar à "unção" da Igreja Primitiva:

- E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo
cada um havia de mister. Atos 2.45

Fonte: Geração Renovada

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Mensagem subliminar em música gospel?

Uma das questões mais polêmicas acerca da música - dentro e fora da igreja - é a mensagem subliminar. Curiosos auto-denominados estudiosos gastaram horas, dias ou até anos de suas vidas rodando discos e discos ao contrário, em busca de frases que relacionassem músicas de sucesso aos famigerados pactos malignos.

Mas será que o cérebro humano é capaz de ouvir uma música e, ao mesmo tempo, reproduzi-la no sentido contrário - identificando as partes com 'mensagens subliminares' - e armazenar o conteúdo satânico? Rodando os principais sites do tema, não encontrei um estudo, um experimento sequer que provasse a ação das frases revertidas no inconsciente coletivo.

Brincava entre amigos dizendo que um dia rodaria todos os discos cristãos ao contrário, desmitificando 'deuses' da música evangélica e encontrando em sua obra, diversas mensagens ocultas. Porém, antes mesmo que pusesse em prática tal anseio, um jovem o fez por mim. Veja abaixo:




Isto não passa de uma grande brincadeira - e o pior é que os crentes estão em polvorosa. Nunca imaginaram que alguém usaria sua principal arma contra as músicas evangélicas. Repito: não creio que este tipo de mensagem subliminar exista, ou que o cérebro possa assimilá-la - e não estou sozinho.

As frases obtidas em Faz Um Milagre em Mim, do Régis Danese, são obra do acaso, assim como acontece em tantas outras músicas seculares. Quem nunca parou e observou coelhos nas nuvens do céu durante uma viagem? O teu cérebro pensa ver um coelho, mas aquilo é somente uma nuvem. Portanto, se eu tocar uma música ao contrário e procurar nela frases estranhas, encontrarei. Mas, na verdade, serão apenas letras estranhas e revertidas.

trecho de post do Rafael Porto no blog Alforria.

[via PavaBlog]

S@lcompimentas: Como a 'música sacra' já virou um mercado, na minha opinião isso não passa de disputa por mercado consumidor. É cascata de alguma banda/cantor/gravadora que quer desacreditar os "músicos concorrentes" para abocanhar essa fatia do mercado. Se não for isso, é algum zé mané que não tem o que fazer mesmo...

Silas e Jabes juntos com Valdomiro Santiago

Silas Malafaia e Jabes Alencar juntos com "Apóstolo" Valdomiro Santiago.



Valdemiro Santiago, que era bispo da IURD, é fundador e líder da igreja mundial do poder de Deus, denominação que vem crescendo "absurdamente" na televisão. Só para se ter uma idéia da "grana" que rola, eles compraram recentemente 22 horas de programação do canal de televisão 21, pertencente ao grupo Bandeirantes. Santiago é um típico neopentecostal. Segundo ele, sua ênfase é em "sinais e maravilhas" e o público "alvo" de sua denominação são as classes "D" e "E", ou seja, o povo mais humilde e pobre. Suas práticas místicas e fetichiosas se assemelham com a sua antiga igreja IURD, justificando assim a sua "formação eclesiástica".

Esta visita de Malafaia e Jabes na Igreja de Valdomiro seria uma junção visando a unidade ecle$iá$tica? Que estranho...

Fonte: blog Bereianos

Maracutaias apostólicas


A Renascer pretende lançar a fundadora da igreja, Sonia Hernandes, a deputada federal em 2010. A pena que ela e o marido, Estevam Hernandes, cumprem nos Estados Unidos por contrabando de dinheiro e conspiração para contrabando acaba em agosto. A partir daí, eles podem voltar ao Brasil. Aqui, os dois são acusados pelo Ministério Público de São Paulo por crimes de estelionato, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. O foro privilegiado proporcionado pelo mandato na Câmara viria bem a calhar.

O lançamento de Sonia vem sendo mantido em sigilo, mas a troca do representante da Renascer na Câmara, não. A cúpula do DEM de São Paulo já foi informada de que o deputado federal Geraldo Tenuta Filho, o bispo Gê, não deverá concorrer à reeleição.

fonte: revista Veja [via PavaBlog]

De 4 pro diabo! – minha pregação com vocabulário de bar.

Caio Fábio

"O homem é o cavalo do diabo, no qual ele monta!" (Martinho Lutero).

Hoje, dia 5 de abril de 2009, pregando na televisão aqui em Brasília, mensagem que estará disponível na Vem e Vê TV, eu disse que o Império das Trevas quer botar todos de quatro...
E mais: disse que todos estão..., exceto quem já passou, pela fé e pela consciência, do Império das Trevas para o Reino do Filho do amor de Deus.
Então alguém me escreveu logo depois dizendo que o termo era chulo.
E me perguntou: “Você não acha o termo chulo?”
Respondi:
“Claro que é. Mas você entendeu?”
De fato parece que dizer “se prostrado me adorares” [convite do diabo a Jesus e fato/proposta dele para todos os homens desde o início] não diz mais nada.
Virou um termo de presépio...
Já não comunica.
Se tornou um repertório da inconsciência...
E, por isto, não deixa mais as pessoas verem como ESTÃO DE QUATRO PRO DIABO(...)

Trecho de polêmico texto de Caio Fábio no site do pastor. (clique aqui para ler o texto completo)

terça-feira, 7 de abril de 2009

A ORAÇÃO COMO MACUMBA CRISTÃ…

“Pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa”.
Quem disse isto ou é o maior cara de pau do mundo, ou, então, diz o que diz porque pode bancar o que afirma.

Entretanto, para quem lê desavisadamente, parece que Jesus está prometendo o Baú dos Desejos feitos prece.
Todavia, não é assim.
Ele não manda que se peça o que se quer, mas sim que se deseje o que a Deus e de Deus se possa pedir.

(...) Pouca gente ora por prazer e amor; e com a alma cheia de gratidão em todas as coisas.
Isto porque o espírito da religião quase sempre faz a pessoa crer que haja uma contravenção prometida na oração.

Daí se ouvir pessoas, afirmando suas causas, dizerem: “A oração tem poder” — visto que lhes pareça que “orar” seja a macumba permitida pelo “Deus” que não é o diabo.
A crença é que “Jesus” seja uma espécie Grau 33 da Maçonaria Universal, e que os crentes sejam os fies cúmplices Dele na Grande Loja Cristã.

Na realidade se crê que a “Igreja” seja a Loja. Seja o lugar dos confrades de Deus. Seja o lugar/vínculo entre o Grande Mestre e os demais maçons de “igreja”, especialmente os pastores e sacerdotes oficiais.

No alto de tudo está o Grande Arquiteto do Universo dos Crentes: “Deus”.
Para outros, menos sofisticados, quando pensam em orações respondidas segundo as suas vontades e desejos, e não segundo a vontade de Deus, a melhor imagem de oração como contravenção solidária é a Máfia.

Nesse caso “Jesus” é o Chefão, a “igreja” é a Família, e os crentes simples são os filhos dos “gângsteres-sacerdotes”, que são os representantes dos interesses do Chefão e da Família.
Nesse caso Deus é “Deus” conforme “Deus” seja para a Máfia.
E creia: não existe máfia sem “Deus”.

(...)Em geral é o mesmo espírito que encontro entre os crentes!
Como aceitaram a Jesus, se batizaram, dão o dízimo, cantam no coral ou nos grupos de louvor, aceitam as ordens pastorais e vivem dentro do ambiente físico do templo — pensam que, por tal razão, sejam da Família, ou da Loja, ou da Confraria, ou do Bando de Jesus.
De fato “crente” acaba se convencendo que Jesus seja o líder do bando dos fieis aos cultos e no dízimo.

Ora, tais “pactos” feitos entre eles e “Deus” pela via da Loja, da Família ou da Gang, dão ao crente esse sentimento que, pela oração, Deus esteja disponível para a contravenção contra a vida, e até contra o que Ele mesmo chame Verdade.
Quando o espírito é esse, creia: toda oração respondida é respondida pelo diabo como deus dos espíritos existentes em ódio, amargura e vingança.
Ou seja:
Quem responde as orações da morte e do ódio é sempre aquele que vem para roubar, matar e destruir.

Assim, dependendo da oração que se faça, se estará orando a Deus ou ao diabo.
O que determina uma oração não é seu ato, nem tampouco se o nome “Jesus” é utilizado, e nem se o termo “Deus” aparece o tempo todo na prece, mas sim exclusivamente seu espírito e seu conteúdo.

(...)A oração é sempre o desejo...
Se o desejo for bom e do bem, a oração será boa e para Deus.
Se desejo for mal e do mal, a oração é uma macumba feita com despacho.
Por isto, digo:
Não peça a Deus aquilo que é o diabo que gosta de atender!
Oração a Deus mesmo, saiba: somente acontece segundo a Sua Vontade.
O mais é macumba...

texto de Caio Fábio, acesse o site do autor para ler o texto completo (www.caiofabio.com)

Mudança de hábito

Uma ex-bailarina e ex-acompanhante de homens em boates de Milão se tornou freira há um ano e agora dá aulas de dança contemporânea nos arredores de Roma.

"Antes, eu dançava sobre cubos e fazia 'lap dance' para homens que queriam apenas meu corpo, estava jogando a vida fora em boates transgressivas, fazendo sexo sem amor, que procurava como uma droga", disse Anna Nobili, de 38 anos, em entrevista ao jornal La Repubblica.

Anna Nobili entrou para a Congregação das Irmãs Operárias da Santa Casa de Nazaré e fez os votos no final do ano passado.

A dança voltou a fazer parte da vida da religiosa depois que o bispo da cidade de Palestrina, a cerca de 35 quilômetros da capital italiana, ofereceu à freira um espaço no convento para que ela pudesse ensinar passos de dança aos jovens da diocese.

Irmã Anna define o tipo de dança que faz e ensina agora como "holy dance" (ou dança sacra). "Agora, danço para Deus, e meus passos e minhas coreografias são dedicadas a ele", afirma.

Coreografia 'mística'

Com seu grupo de alunos, que se chama "grupo de dança litúrgica Holy Dance", irmã Anna vai se apresentar na próxima terça-feira em uma das principais basílicas de Roma, a Santa Cruz em Jerusalém, durante a apresentação do livro Bíblia dia e noite, de Giuseppe Carli e Elena Balestri.

Segundo a tradição, nesta igreja, uma das mais antigas de Roma, estão guardadas relíquias da cruz onde Jesus Cristo morreu.

O grupo vai dançar diante de bispos e cardeais uma "coreografia mística", cujo titulo é "Jesus, luz do mundo", inspirada no evangelho segundo São João.

Além de se apresentar em boates, Anna também participava de programas de televisão como bailarina. Em 1995, ela teve o que definiu como uma "crise mística" e resolveu mudar de vida.

O caminho da conversão ao catolicismo e a decisão de se tornar freira não foram fáceis, segundo a religiosa. "Foi um caminho longo e sofrido", disse irmã Anna.

well, ao menos ela não chama a coreografia de "dança profética"... :P

no texto da d. mary schultze tem um trecho interessante s/ dança. um cara da igreja relata que durante a apresentação na igreja "as dançarinas não usavam sutiã; então precisei fechar os olhos para não cometer nenhum pecado".

me lembrei de um amigo pastor que foi repreendido por uma mulé da igreja pq usava calça de moleton numa programação esportiva. ela reclamou que a calça "tava marcando a parte íntima" dele. eta povo tarado, hein!

como diz uma amiga, "freud explica..." melhor omitir a segunda parte do adágio... :P

Fonte: BBC [via PavaBlog]

Você nunca mais vai assistir programas esportivos com os mesmos olhos!

Um grande mistério no meio do futebol sempre foi descobrir para qual time os principais jornalistas esportivos do país torcem. No ano passado, a Revista Vip divulgou uma matéria que, aparentemente, esclareceu parte do mistério.

A matéria, lançada em maio de 2008, trouxe muita polêmica, já que alguns jornalistas esportivos não queriam ver seus times do coração revelados. Neste grupo, estão os narradores, como Galvão Bueno, Milton Leite e Cléber Machado. Mas a Vip não quis nem saber e divulgou a lista. Será que tem surpresa?

Confira abaixo os times para os quais os jornalistas torcem:

TV Globo
Galvão Bueno – Flamengo
Cléber Machado – Santos
Luís Roberto – São Paulo
Mauro Naves – Corinthians
Sérgio Noronha – Vasco

TV Bandeirantes
Nivaldo Prieto – Palmeiras
Luciano do Valle – Ponte Preta
Mauro Beting – Palmeiras
Milton Neves – Santos
Sílvio Luiz - São Paulo
Renata Fan - Internacional
Neto - Corinthians

SporTV
Luis Carlos Jr. – Fluminense
Milton Leite – Corinthians
Paulo César Vasconcelos – Botafogo
Alex Escobar – América-RJ
Renato Maurício Prado – Flamengo
Marcelo Barreto – Flamengo
Alberto Helena Jr. – São Paulo
José Roberto Wright – Fluminense
Roberto Assaf - Flamengo
André Loffredo - Corinthians
Maurício Noriega - Palmeiras
Armando Nogueira - Botafogo
André Rizek - Corinthians


ESPN Brasil
José Trajano – América-RJ
Paulo Vinícius Coelho – Palmeiras
Mauro César Pereira – Flamengo
Paulo Calçade – Corinthians
Antero Greco – Palmeiras
Sílvio Lancellotti – Corinthians
Soninha – Palmeiras
André Plihal – São Paulo
João Palomino – São Paulo
Paulo Amigão Soares – São Paulo
Fernando Calazans – Flamengo
Juca Kfouri – Corinthians
Márcio Guedes - Botafogo
Celso Unzelte - Corinthians
Marcelo Duarte - Corinthians
Flávio Gomes - Portuguesa
João Carlos Albuquerque - Santos
Arnaldo Ribeiro - São Paulo
André Kfouri - Corinthians

Outros
José Silvério (Band-SP) – Cruzeiro
Wanderley Nogueira (Jovem Pan-SP) – São Paulo
Flávio Prado (Jovem Pan-SP) – São Paulo
José Carlos Araújo (Rádio Globo-RJ) – Fluminense
Mauro Leão (O Globo) – Botafogo
Fernando Vanucci (Rede TV!) – Botafogo
Pedro Ernesto (Rádio Gaúcha) – Grêmio
Wianey Carlet (Zero Hora) – Internacional
David Coimbra (Zero Hora) – Grêmio
Paulo Brito (RBS) – Internacional
José Aldo Pinheiro (RBS) – Grêmio
Luís Carlos Ostermann (Zero Hora) - Grêmio
Sérgio Xavier Filho (Placar) - Grêmio
José Roberto Torero (Folha de S. Paulo) - Santos
Heródoto Barbeiro (Cultura) - Corinthians
José Calil (Rede TV) - Santos
Éder Luís (Record) - Marília
Ricardo Capriotti (Sportv) - Corinthians
Roberto Avallone - Palmeiras
Jorge Kajuru (TVB) - Palmeiras

via Futebol Interior

S@alcompimentas: Avalone, Chico Lang, Milton Neves e Juca Kfouri nem precisavam responder à pesquisa. O Flávio Prado nunca me enganou. Aquele papo de Ponte Preta é a maior cascata... Outro que não me engana é o Pedro Birner que, apesar de não estar na pesquisa, não consegue desfarçar sua origem bambina...rsrsrs

Silas Malafaia: marketing igrejeiro?


Destaque especial para a quantidade de vezes que o nome Jesus aparece no cartaz... Os caras estão se jogando pináculo!

Fonte: Púlpito Cristão

Por acaso Deus sonha?

A expressão “Deus sonha” foi criada pelo herege Castellanos, ou “Caçalhamas”, inventor do G-12. Pelo que li, há anos, na biografia dele, o cujo estava dormindo numa rede, em certa praia, quando teve um sonho e, a partir desse sonho, ele criou um dos movimentos “evangélicos” mais heréticos do planeta. Sobre o movimento, escrevi uma sátira em 2002: D. Mariquinha foi ao Encontro.

Ora, Deus não dorme e como Ele é um Deus Onipotente, Onipresente e Onisciente, e Sua palavra já contém tudo que devemos saber e tudo que vai acontecer no mundo. Então, com que iria Ele sonhar? Nem mesmo a mais elástica tentativa de antropomorfismo poderia afirmar que Deus sonha.

Quem é o vidente “Caçalhamas”?

É um herege visionário que narra o seguinte, no capítulo primeiro do seu livro, o qual lhe rendeu muita grana: após a leitura da Bíblia, ele estava procurando a melhor maneira de ser purificado, quando, certa noite, “sentiu a necessidade de ter um encontro face a face com Jesus” (p.13). (Obs. Jesus diz que somos purificados pela leitura da Sua Palavra, conforme João 15:3 e que por ela seremos todos julgados, segundo João 12:48).

Diz ele que, mais tarde, após ter confessado a Deus todos os seus pecados e chorado muito, ele “viu uma mão aberta penetrando em sua cabeça e descendo até a planta dos pés de forma carinhosa e, à medida que o fazia, o fardo do seu pecado desaparecia... havia nascido de novo!” (p.14). (Obs. Pelo que me consta,. Deus não usa esse tipo de mágica para efetuar o novo nascimento (João 3:3)).

Após ter freqüentado, durante 5 meses, uma pequena congregação evangélica, ele conta que certa noite, quando estava orando, Satanás começou a apresentar-lhe imagens de sua conduta passada, com as quais ele ia se deleitando... Até que uma voz forte como de trombeta lhe falou: “se te apartares de mim, cortarei a bênção que tenho para ti e para os teus” (p.15). Ele entendeu que se tratava da voz de Deus. Então fez um pacto dizendo o seguinte: “Senhor, se tu vires que algum dia vou te falhar e me apartar dos teus caminhos, peço-te com toda a minha alma, antes que isso aconteça, me leves, pois prefiro estar na tua glória, que viver neste mundo com a vergonha de ter falhado para contigo” (p. 15).

trecho de artigo de Mary Schultze no Informativo Batista
. [via PavaBlog]

Los hermanos viraram pó


via Monkey News [via PavaBlog]

Baal, Baal... mata a cobra e mostra...

'Inimigo número 1' de Deus na Bíblia vira vilão em filme de ficção científica
Produção do canal Sci-Fi transforma deus Baal em ameaça climática. No antigo Oriente Próximo, divindade era considerada benigna.

Imagem síria de Baal, feita no fim da Idade do Bronze (Foto: Reprodução)

O arqui-inimigo de Deus na Bíblia é o mais novo vilão da ficção científica -- e não estamos falando do Diabo. Uma produção do canal de TV a cabo Sci-Fi, que estreia nesta terça (7), às 23h, transformou o antigo deus cananeu Baal, cujo culto idolátrico seduzia os israelitas no Antigo Testamento, no pivô de sua trama.

O filme "Ba'al: o deus da tempestade", que será exibido simultanea

mente em vários países da América Latina, é um thriller arqueológico no qual dois pesquisadores (foto abaixo) tentam recuperar amuletos místicos e evitar que a divindade -- a qual teria sido derrotada por seu pai -- recupere seus poderes e arrase o planeta com desastres climáticos.

Em entrevista coletiva por telefone, os protagonistas do filme -- o americano Jeremy London, que interpreta o arqueólogo Dr. Helm, e a canadense Stefanie von Pfetten, que faz a linguista Carol Gage -- dizem que a trama aborda apenas o lado mitológico de Baal, e não sua relação com os personagens bíblicos. "Essa fascinação com outros mundos é atemporal, sempre existiu e sempre vai existir", diz Von Pfetten. "A mitologia é sempre uma fonte de imaginação muito interessante, e é legal ver como os antigos mitos interagem com a história moderna", diz London.

Samba do crioulo doido

Ainda bem que os participantes da produção enfatizaram o lado fantasioso do filme, porque a trama realmente só usa os mitos originais sobre Baal (ou Ba'al; as duas grafias são possíveis) como um vago pretexto para a história. Para começar, o Baal do filme é um deus sumério (antiga civilização da Mesopotâmia, o atual Iraque), enquanto o Baal bíblico é venerado por culturas totalmente diferentes, nativas da Palestina, do Líbano e da Síria.

A linguista vivida por Von Pfetten também precisa descobrir a localização dos amuletos ligados a Baal decifrando o famoso Rolo de Cobre, um dos chamados Manuscritos do Mar Morto. O detalhe, porém, é que o Rolo de Cobre foi decifrado há décadas e não contém menção alguma a Baal, divindade que já tinha sido praticamente esquecida quando o texto foi escrito no começo da Era Cristã. Mas, de fato, o texto do Rolo de Cobre fala de um fabuloso tesouro, talvez retirado do Templo de Jerusalém.

Apesar das pesadas críticas ao culto a Baal feitas na Bíblia -- afinal, os israelitas, segundo a Lei de Moisés, deviam adorar apenas a Javé --, o deus não tinha nada de demoníaco, ao menos para seus adoradores. Baal era o deus da tempestade porque trazia a chuva para as terras secas do Oriente Próximo. Em vários mitos sobre ele desenterrados em antigas cidades da região, como Ugarit, Baal também tem um papel de organizador do Universo, derrotando em batalha deuses ligados ao caos primitivo, como Yam, senhor dos mares.

O consenso atual entre os estudiosos do texto bíblico também indica que o próprio culto ao Deus único israelita foi influenciado pela figura de Baal. Alguns paralelos importantes envolvem as chamadas teofanias (manifestações divinas) de Javé, nas quais ele é descrito cavalgando as nuvens de tempestade e derrotando o mar, igualzinho a Baal, assim como o lado guerreiro de Javé. Alguns salmos bíblicos parecem ser versões israelitas de antigos hinos em honra de Baal.

do G1, em São Paulo

S@alcompimentas: Essa é para lembrar dos nostálgicos "cultos da fogueira" que sempre aconteciam nos acampamentos... Agora, o pessoal do G1 exagerou nos termos. Não existe inimigo de Deus. Existe somente o nosso inimigo. Essa é mais uma construção falaciosa e enganadora das religiões: de que existe uma luta/disputa entre o Bem(Deus) e o mal (Diabo, Baal, Belzebu, Lúcifer, o que for...). Colocam o diabo como se fosse também um deus, só que do mal. Ora, o pensar desta maneira não procede do evangelho, mas filosofia chinesa (I Ching). É acreditar que eles (o lado negro da força rsrsrs) tivessem alguma chance contra o Senhor dos exércitos. Pensamento infantil, pois eles mesmos sabem que enfrentá-lo é loucura e briga perdida.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Um novo Calvinismo?

A revista Time na semana passada apontou o novo calvinismo em terceiro lugar na sua matéria de capa sobre as 10 Idéias Mudando o Mundo Agora Mesmo (texto original em inglês aqui e tradução em português aqui). Mark Driscoll, pastor da Mars Hill em Seattle, EUA, escreveu uma pequena postagem (aqui) sobre o que ele considera as principais diferenças entre o velho e o novo calvinismo. Segundo Driscoll, há quatro motivos pelos quais o “novo calvinismo” é tão poderoso:

1. O Velho Calvinismo era fundamental ou liberal e era separado da cultura ou sincretizado com a mesma. O Novo Calvinismo é missional e busca criar e redimir a cultura.

2. O Velho Calvinismo fugiu das cidades. O Novo Calvinismo está invadindo as cidades.

3. O Velho Calvinismo era cessacionista e temeroso da presença e poder do Espírito Santo. O Novo Calvinismo é contemporanista e se alegra na presença e poder do Espírito Santo.

4. O Velho Calvinismo temia e suspeitava de outros cristão e por isso queimou pontes [de relacionamento]. O Novo Calvinismo ama a todos os cristãos e constrói pontes entre eles.

Solano Portela

Fonte: blog do revBaggio

Novo nascimento

Culpa é um dos ingredientes mais nocivos da religião. Aliás, muita falação eclesiástica se esgota quando se desmascara a instrumentalização da culpa. Os auditórios religiosos lotam porque as pessoas são imperfeitas, carregadas de mazelas, incapazes de lidar com as sequelas da adolescência. É preciso ser corrigido, aperfeiçoado, purgado. Mas, inadequados diante de uma divindade absolutamente correta e exigente, todos se sentem devedores e ninguém tem o direito de esboçar qualquer defesa.

Recordo-me que nas brigas com o Renato Jorge, meu irmão um ano mais novo, eu usava uma arma infalível para vencê-lo: “Vou contar para o papai”, dizia. Para depois acrescentar: “Você pensa que eu não sei de tudo?”. Na verdade, não sabia de nada. Mas meu pobre irmão sempre tinha culpa no cartório. Rapidamente se rendia diante das minhas ameaças.

O senso comum dos religiosos é que todos estão degradados porque são inerentemente maus, promíscuos e ímpios. Daí o apelo recorrente dos púlpitos de que precisamos ser salvos de nós mesmos. Por toda a vida, aceitei esta lógica e acabei tornando-me o meu maior inimigo. Detestei-me por achar-me uma fonte perene de ruindade. Eu me fustigava esperando não apanhar de Deus.

Acreditava que antecipando-me às penas, conseguiria sensibilizá-lo. Imaginava que o Todo-Misericordioso contemplaria a minha autoflagelação e me trataria com leniência diante dos vergões.

Hoje já não acredito que precise ser salvo de mim mesmo. Pelo contrário, minha salvação acontece quando aprendo a conviver com o meu interior. Quando faço as pazes com meu ser. Quando me aproximo de quem está mais próximo de mim: eu.

Minhas pulsões de vida e de morte estão para além do bem e do mal. Não as considero pecado ou virtude, apenas forças poderosíssimas que compõem a minha humanidade. Dentro de mim habitam sombras e luzes. Não preciso exorcizar as sombras, demonizando-as, agora reconheço-as como partes de minha constituição.

Meus tropeções foram necessários – pecados, no linguajar religioso – na construção de minha história. Todo o processo pedagógico precisa deixar espaço para que se desafine, pise na bola, dê trombada, erre. Sem odiar, não se aprende o valor da doçura; sem invejar, não se aprende o valor da reverência; sem cobiçar, não se aprende o valor do contentamento. Ódio, inveja e cobiça, portanto, também me moldaram.

Não me detesto e não suspeito do meu corpo. Não me sinto podre. Contudo, não sou ingênuo. Reconheço que de dentro do meu coração brotam águas amargas. Minhas uvas são azedas. Sei que tenho um potencial destrutivo de mil bombas atômicas. Carrego ressentimentos. Meu espírito se encanta com o que não presta.

Lido com essas idiossincrasias, dando outro sentido para responsabilidade. Responsabilidade passou a ser definida como iniciativa e capacidade de responder às demandas éticas da vida. Pretendo tornar-me responsável não por culpa ou medo, mas por reverência à vida, ao meu próximo e à mim. Para ser íntegro, não preciso amputar narcos do coração e vilipendiar-me como um bandido ordinário. Para crescer, posso me valer, inclusive, de meu passado suspeitosíssimo.

Depois de noites insones, depois de me angústiar com tantas falhas, afirmo: as minhas maiores decepções e mais profundos fracassos me empurraram para frente. Com eles, ganhei coragem de encarar-me.

Todo novo degrau de maturidade é uma travessia. Toda mudança, morte e ressurreição. Nasci de novo desde que alcei bandeira branca na guerra que travava comigo mesmo. Hoje aceito que se Deus quis tabernacular em mim, não tenho o direito de implodir-me.

Soli Deo Gloria.

Ricardo Gondim

Leia +
[via PavaBlog]