quinta-feira, 12 de março de 2009

Simples assim


"Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza." (1 Tm 4:12)


Na teoria todo mundo sabe os motivos que levam o homem a pecar. É da sua própria natureza, é tentado por sua própria cobiça e, apesar do diabo dar uma mãozinha, sabemos que se resistirmos ao tentador, ele fugirá de nós.

Também já foi mais do que explicado que o pecado nasce na intenção. Sua execução não é obrigatória. Tem ódio no coração? Já cometeu o assassinato. Só imaginou a cena? Já cometeu adultério. Cobiçou? Vale tanto quanto ter roubado.

Apesar dessas coisas serem ululantemente declaradas na Bíblia, continuamos a pregar como se só causas externas gerassem o pecado. E continuamos a considerar como pecador só aquele que efetivou fisicamente a sua intenção.

Muitos sermões, artigos e mensagens parecem se basear no ditado popular que diz que "a ocasião faz o ladrão" quando não é a ocasião que faz o ladrão, esse já está feito, a ocasião só facilita o exercício do crime.

No passado a culpa era de livros lascivos. Depois surgiu o cinema com sua incitação à violência. A televisão, não poucas vezes, foi comparada à besta escatológica. No caminho passamos pelas revistas pornográficas, os videogames de combates até chegarmos à Internet que desbancou a todos os demais demônios midiáticos anteriores.

Multiplicam-se as palestras a respeito dos perigos e das tentações da rede, como se Jesus tivesse dito que "não peço que os livre do mal, mas que os isole do mundo" - antes que alguém deixe um comentário me acusando de heresia, o que o Mestre disse foi justamente o contrário, basta olhar na sua Bíblia, em João 17:15.

Tão pouco estou fazendo proselitismo do lixo geral que circula em todas as mídias. Mídias, que posinal, também servem para o bem quando as utilizamos adequadamente.

O que precisamos analisar é o nosso comportamento, o nosso coração. Se foi transformado ou não. Se o pecado é algo que nos incomoda ou nos dá prazer.

Enquanto continuarmos a procurar em fatores externos as causas do nosso mau agir, estaremos cada vez mais longe de Deus.

É de mim e de você que Ele quer uma vida fiel na palavra, no procedimento, na fé e na pureza. O mundo e sua corrupção Ele mesmo já entregou aos seus próprios pecados e, por eles, receberá sua retribuição.

Quando você estiver frente a frente com Deus, Ele não vai aceitar esse tipo de desculpas, apenas dizer: servo mau e inútil...

Fonte: Calvinistas, graças a Deus [via Práxis Cristã]

Nenhum comentário: