segunda-feira, 23 de março de 2009

Mais uma do bispo (P)edir


O passaporte diplomático era um documento restrito ao presidente da República, ministros, governadores e, é claro, diplomatas. Há três anos, o governo estendeu o benefício a líderes religiosos. O bispo Edir Macedo, da Igreja Universal, começou a usá-lo no início de 2007. Por causa do documento, ele causou um salseiro no Aeroporto de Guarulhos.

O delegado da Polícia Federal Mário Menin Junior relata que três bispos da Universal, todos deputados paulistas, o pressionaram a liberar Macedo dos trâmites de imigração e alfândega em uma viagem que ele fazia ao exterior. Para tanto, invocaram o passaporte diplomático do chefe.

Liderados por Gilmaci Santos (PRB), avisaram que o bispo chegaria ao aeroporto em um helicóptero e embarcaria, em seguida, em um de seus quatro jatos. Nada, portanto, de controles. Se a polícia ou a Receita insistissem na verificação, o bispo os receberia em seu avião.

A insistência dos policiais e dos fiscais em submeter Macedo aos procedimentos legais provocou uma reação intempestiva dos deputados. Depois, o próprio Edir reclamou: "Sou um enviado de Deus. Vocês estão atrapalhando meu trabalho", disse o bispo, segundo o delegado.

Um esclarecimento: o passaporte diplomático não dá direito a escapar da imigração ou da alfândega. Ele apenas facilita a entrada em outros países.

Fonte: Veja [via PavaBlog]

Nenhum comentário: