segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Pergunte ao apóstolo!

Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, porque foste preso?

Amado irmão, para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, estive com meu irmão João na porta do templo chamada Formosa, estando ali um coxo desde o ventre de sua mãe, fitamos-lhe os olhos e disse: “Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram.”

Logo após este acontecimento, fui preso por Herodes que estendeu as mãos sobre alguns da igreja, para maltratá-los, e, vendo que isso agradara aos judeus, continuou, mandando prender também a mim, Pedro. E eram os dias dos ázimos. E, havendo-me prendido, me encerrou na prisão, entregando-me a quatro quaternos de soldados, para que me guardassem, querendo apresentar-me ao povo depois da páscoa.

Apóstolo João, por amor da verdade que está em nós, e para sempre estará conosco: porque foste preso?

O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo.

E, como nosso irmão Pedro afirmou, também presencie o coxo de nascença andar, eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estive preso na ilha chamada Patmos, por causa da Palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo.

Amado irmão Paulo, apóstolo dos gentios, porque foste preso?

Quanto à minha vida, desde a mocidade, como decorreu desde o princípio entre os da minha nação, em Jerusalém, todos os judeus a conhecem.

Recebi, ainda, dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez. Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas.

Sobre as prisões, creio que os amados irmãos perderam a conta de quantas foram, mas todas estas foram por ter andado diante de Deus com toda a boa consciência.

Apóstolo Estevam Hernandes, porque foste preso?

Povo apostólico, uma coisa cruel fizeram a nós, tentávamos entrar com milhares de dólares escondidos dentro de nossa Bíblia, e nos prenderam por não serem dólares declarados, como são cruéis os americanos, e isto há quase dois anos!
...
..
.

Fonte: Jesus Maior Amor

Nenhum comentário: