sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Fé sob medida

Na sala ampla, repleta de pinturas estilizadas de figuras religiosas nas paredes, os instrumentos de uma banda de rock estão a postos e um telão exibe slides que fazem referência ao papel de Jesus como revolucionário.

Nas pequenas mesas e sofás, alojam-se os fiéis: jovens tatuados que usam roupas modernas e prestam atenção a cada palavra proferida pelo representante comercial Hudson Parente, o pregador da noite, paramentado de calça jeans e tênis All Star.

Como tudo no Projeto 242, igreja localizada no número 900 da rua da Glória, na Liberdade, a pregação passa longe daquelas dos cultos de templos evangélicos tradicionais.

A começar pelo teor do sermão: "Vamos falar do X-Men de verdade. O 'X' é de Cristo, ele é o messias, ele é o que traz a revolução", prega Hudson, 37, apropriando-se de um personagem pop das histórias em quadrinhos para falar de Jesus.

Logo depois, Hudson faz mais uma ligação com a contemporaneidade ao pedir uma prece pelo presidente eleito dos Estados Unidos. "Vamos fazer uma oração para que Barack Obama possa ser iluminado. Deus, tenha misericórdia desse cara."

Criado há dez anos, o projeto marca a chegada a São Paulo da chamada igreja emergente, movimento que nasceu na Inglaterra, na última década. É uma vertente que congrega denominações que começaram a oferecer cultos alternativos para a juventude, unindo espiritualidade, cultura e vida em comunhão.

O próprio nome da igreja remete ao espírito de comunidade: é uma referência bíblica ao versículo 42 do capítulo 2 do livro dos Atos dos Apóstolos: "E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações". A divulgação da fé se dá por meio de sites, fotologs e blogs.

Os fiéis do 242 são jovens de classe média ou média alta, muitos deles profissionais de áreas ligadas à criatividade, como designers, publicitários e arquitetos. Acreditam nos valores mais estritos da moral cristã, como a virgindade.

Ao mesmo tempo, fazem parte de uma comunidade religiosa na qual não precisam mudar a linguagem, as roupas ou as preferências musicais para se assumirem como cristãos.

Praticam também a chamada "teologia da inclusão", levando o cristianismo aos "excluídos". "Jesus ama a todos", resume João Mossadihj, 25, o Jota, tatuagens nos braços, repetindo os dizeres dos 2.000 adesivos distribuídos na Parada Gay por ele e outros participantes do Sexxx Church, grupo criado para ajudar prostitutas e viciados em pornografia "a encontrarem Deus".

Realizam também um trabalho direcionado a evangélicos. O grupo faz palestras nas igrejas, uma vez que recebem pedidos de ajuda de "irmãos" viciados em pornografia.

O Sexxx Church não se classifica como mais uma igreja, embora use o termo em inglês no nome. Seus 30 missionários são de diversas denominações, todos com um perfil parecido com o de Jota, que entrou para o 242 há quatro anos.

Em outubro, o grupo fez jus à primeira parte do nome e foi visto na 13ª Erótika Fair de São Paulo. Lá, o Sexxx Church alugou um estande e exibiu camisetas com os dizeres "Jesus ama os atores pornô", com a figura impressa de um Cristo de óculos escuros e exibindo tatuagens no braço. "Um Jesus 'putão'", define Jota.

O linguajar sem cerimônias do rapaz certamente pode provocar arrepios em cristãos tradicionais. "Se os jovens desta igreja se reúnem, usam essa linguagem e se identificam, acho válido como fenômeno religioso", afirma o reverendo Luiz Alberto Barbosa, secretário-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil. No entanto, ele pondera que os fins nem sempre justificam os meios. "A mensagem é válida, mas pode-se questionar se realmente está sendo transmitida."

É com um discurso mais contemporâneo e ousado que os emergentes querem aumentar o rebanho. "A igreja não tem que ser uma fortaleza. Deve caminhar junto com as pessoas", defende Jota. Ele acredita que, em geral, os desviados -termo usado pelos evangélicos para definir aqueles que se afastaram da igreja- foram separados de Deus pelas próprias denominações religiosas.

É justamente em busca de quem se "desviou" do cristianismo que iniciativas como o projeto Toque, uma ONG apoiada pelo 242, se aproxima de prostitutas, sem-tetos e crianças de rua na noite paulistana. "Vamos à região da Cracolândia, da Boca do Lixo e do largo do Arouche e abordamos travestis para conversar, fazer amizade", relata Fernanda Pinilha, 26. "Acreditamos que, só por estar com eles, resgatamos sua dignidade." Leia +.

trecho da matéria de capa da Revista da Folha desta semana.
[via PavaBlog]

Nenhum comentário: