quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Novo seriado da Rede Globo irrita os evangélicos


Nova série da Globo, "Ó Paí, Ó" irritou evangélicos. O episódio de estréia, "Mercado Branco", mostrou um pastor guloso e sedento por dinheiro em pleno Pelourinho, em Salvador, capital do candomblé.

No programa da última sexta, cujas temáticas eram a falta de dinheiro e a pirataria, o pastor (Lázaro Machado) cobrava o dízimo de uma fiel, o que desencadeava uma série de cobranças de R$ 50. Da casa da fiel, ele levou frutas. No final, em um bar, tentou levar embora um prato com amendoins.

"Esta é a moral que a TV Globo sempre ensina: pastor é ladrão!", escreveu em seu blog o pastor Derville de Souza Jr., de Curitiba. Para o religioso, a série mostrou "uma deturpação dos verdadeiros pastores".

Já o pastor Artur Moraes da Costa, também na internet, fez uma análise mais mercadológica. Para ele, a Globo "debochou" dos evangélicos porque "sua liderança foi seriamente abalada pelo crescimento da TV do bispo Macedo" e "também pela mudança geopolítica nos Estados brasileiros, antes dominados pela direita".

Segundo a Globo, é precipitado considerar o pastor ladrão. "O pastor é supercorreto, tem uma relação próxima com os fiéis", afirma a emissora em nota. De acordo com a TV Globo, seu único "pecado é a gula, assim como aqueles padres que sempre aparecem em frente a um prato de macarronada ou devorando bolos".

Fonte: clicgospel.com


Confesso que nem sabia da existência dessa série e não escutei ninguém reclamar, na igreja que frequento. Não sei porque essa mania de perseguição que nós crentes temos ainda hoje. Alguém já viu os católicos reclamando das novelas quando aparece um padre que se envolve com uma devota? Ou de macumbeiros reclamando que sempre o personagem é retratado como homossexual? Vamos cair na real. Quer gostemos ou não, a Globo só está mostrando a realidade. Fala sério, pastor que é pastor não pode ser ladrão. Mas bem que podemos encontrar alguns lobos de cajado fazendo a festa por aí. Da mesma forma que encontramos em outra religiões.

Nenhum comentário: