segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Garota enterrada viva em Ferraz de Vasconcelos

SÃO PAULO - A mãe da estudante de 18 anos que passou 41 horas dentro de uma tubulação de esgoto após ser violentada disse que a filha chegou a pensar que não fosse escapar viva. A menina ainda está internada, na cidade de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo, onde o crime ocorreu. Os médicos dizem apenas que o estado dela é estável.

- Ela pensou que seria o fim dela e que nunca mais se encontraria com sua família - contou a costureira de 44 anos, após passar a noite com a filha no hospital.

O ex-caseiro Uelton Ferreira Cantanhede, de 40 anos, identificado como o homem que abusou da jovem e a enterrou viva, continua foragido. A costureira acredita que sua filha foi salva por um milagre.

- Se não fosse Deus e a fé dela seria realmente o fim. Mas Deus é misericordioso e me deu essa vitória - contou.

A família é evangélica e freqüenta a igreja Congregação Cristã. A mãe contou também como foram as 41 horas de angústia sem notícias da filha.

- Recebemos ligações de pessoas que diziam que ela estava seqüestrada, chegaram a pedir resgate de R$ 20 mil. Meu marido pedia para falar com ela pelo telefone, mas o suposto seqüestrador não deixava - afirmou.

Segundo relato da estudante à família, ela foi abordada pelo agressor por volta das 23h de terça-feira. quando voltava da escola para casa. A jovem cursa o 3º ano do ensino médio, numa escola estadual no Jardim Miriam, no Itaim Paulista, zona leste da capital.

- Ele ameaçou com um facão e levou ela à força para o terreno. Era muito tarde e não tinha quase ninguém na rua - relatou.

Segundo a família, a jovem tem um comportamento calmo e sereno. A mãe disse que ela gosta de jogar videogame e pretende ser professora. Apesar muito machucada, a jovem não corre risco de vida. A garota tem fraturas na bacia e o braço direito, escoriações por todo corpo e, nas costas, tem um grave ferimento, provocado pelo longo tempo em que ficou deitada sobre a umidade da tubulação de esgoto de uma fábrica desativada. Não há previsão de alta.

Segundo o delegado Ivan Moysés Elian, o suspeito tem família no estado do Maranhão e pode ter fugido da cidade.

Por volta das 11h40 de quinta-feira, o caseiro da fábrica de móveis desativada passeava com a mãe pelos fundos do terreno quando ouviu gritos de socorro. Ele notou que os chamados vinham de uma caixa de inspeção de esgoto do local. Ao abrir o compartimento, viu que estava cheio com blocos de concreto. Ao remover alguns tijolos, viu que a estudante estava presa dentro da tubulação que sai de dentro da caixa.

A Polícia Militar, os bombeiros e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) resgataram a garota, que estava com as mãos amarradas. Ela disse que um desconhecido a havia rendido com um facão perto de sua casa, no Itaim Paulista, na noite de terça-feira, e a obrigou a acompanhá-lo ao local. Lá, a estuprou e tentou degolá-la com o facão. Porém, a arma estava sem fio. A vítima teve um corte na garganta.

Depois, ele a levou para os fundos do terreno e a mandou entrar na caixa de inspeção de esgoto. A jovem disse que não iria conseguir, mas o estuprador a fez entrar. Depois, cobriu a entrada com tijolos e fechou com uma tampa de concreto. A jovem apanhou muito do bandido. Na terça-feira à noite, a família dela registrou boletim de ocorrência de desaparecimento no 50º Distrito Policial (Itaim Paulista).

fonte: Diário de S. Paulo

Nenhum comentário: