quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Crentes fazem campanha contra Kassab



Outro péssimo exemplo da "participação evangélica" nas eleições em São Paulo.
Se o post anterior tratava de algo antiético, este trata de um ataque barato à dignidade do prefeito. "O povo de Deus que preserva e valoriza a família não vota em Kassab. Ele é gay. Seu número verdadeiro é 24", diz uma das frases do panfleto que "religiosos" distribuíam no último domingo em São Paulo. "Tem gente que apóia o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O prefeito Kassab sai na frente, já convive com seu marido", diz outra frase.

Ora, é inegável que nas redações de jornais, todos comentam sobre a sexualidade do prefeito. Diz-se realmente que ele é homossexual. Porém, o prefeito nunca assumiu isso publicamente. Além disso, que importa se ele é ou não gay? Só por isto vou deixar de votar nele se foi um bom prefeito?
Ou será que alguém que é homossexual, mas acha que ele foi um péssimo prefeito vai votar nele só por saber que ele é gay?

Respeito se alguém pensar assim, mas, para mim, é falta de critério político. É revelar-se alguém com falta de consciência coletiva, de cidadania.
Afinal, você está escolhendo um prefeito para sua cidade e não o marido para a sua filha.




crédito das imagens: blog Se mata!

Nenhum comentário: