sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Pornô gospel: atores crentes para casais crentes


Se já é um perigo não se falar de sexo na igreja (visto a atração que o mundo exerce sobre a juventude), falar sobre a sexualidade tomando por base o "Tudo posso..." pode ser fatal para a Igreja. Últimamente, diversas igrejas decidiram misturar a sexualidade(que é natural do ser humano) aos costumes e doutrinas da comunidade.

Primeiro foi a polêmica "Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM), que começou a levantar a bandeira da causa "gayspel". A igreja não só aceitava os homossexuas (o que todas deveriam fazer), mas abria espaço para militância GLBT, defendo o homossexualismo. Ora, assim como não (ou pelo menos não deveriam) existir igrejas heterossexuais, também não deveriam existir igrejas homossexuais. Púlpito não é lugar para movimento homo, hetero, bi, multi ou assexuado (nada contra os celibatários).

Depois dessa polêmica, vieram os casais cristãos evangélicos que realizavam e defendiam a prática do "sono inocente", fazendo swing (troca de casais) de uma maneira "conforme a palavra de Deus". Imagine: "Sou chifrudo e gosto disso, porque é a vontade de Deus", deveria dizer um deles.

Pois, qual será a próxima travessura que os crentes mais, digamos, safadinhos vão aprontar, você deve estar se perguntando. Agora, surgiu nos EUA um movimento para produzir filmes e materiais pornográficos especiais para casais cristãos. O interessante é que eles colocam algumas coisas de maneira sutil, com alguns pontos que podem tranquilamente enganar quem não toma cuidado. Mas quando você percebe o real objetivo deles (misturar o evangelho com sexo e pornografia), é de ficar abismado. Afina, pecar já é ofensa suficiente a Deus, mas buscar respaldo na bíblia para isso é herético e indecente. Só falta agora convidarem a Gretchen que é crente e tem muita experiência nesse ramo do cinema(?). "Uma proposta para uma pornografia cristã", diz o movimento. Veja seus argumentos no site:http://

Os crentes pornógrafos desenvolveram até um conjunto de diretrizes de Filmes Cristãos Pornô. Deixei em negrito alguns que considero irônicos. Veja:

• Deve retratar só casais matrimonialmente ligados em atos sexuais. Isto significa que quaisquer parceiros sexuais, em uma produção pornô cristã devem ser marido e mulher, dentro e fora da tela. Todos os agentes devem ser casados na vida real e retratarem a vida real. E eles só devem ter relações sexuais com seus cônjuges.
• Deve retratar o sexo dentro de contexto de um casamento cristão. Devem-se aparentar através das ações, comportamentos e fala dos personagens retratados que são cristãos e que levam um estilo de vida cristã, e tem um casamento no qual sua fé é o ponto principal. Isto pode ser ilustrado em uma variedade de formas, com cenas mostrando por exemplo, um jovem orando em conjunto e estudando a Bíblia e freqüentando a Igreja ou realizando funções na Igreja e outras cenas relativas a um outro casal cristão fazendo sexo fora do seu quarto.
• Devem ser instrutivos. Parte da missão da pornografia cristã é o de educar crentes casados em como conseguir mais prazer sexual na intimidade de seus relacionamentos. Isso pode ser muito bem feito através da dramatização de diversas técnicas e posições sexuais, para que jovens possam aprender a incorporá-las em suas rotinas de fazer amor. Nos seus papéis na tela, os atores-crentes devem ser um modelo correto tanto em técnicas como de atitudes sexuais adequadas, portando-se de uma forma respeitosa com os órgãos uns dos outros como um sagrado dom de Deus que eles são.
Não deve haver sexo extraconjugal, a não ser que seja para ilustrar as quedas de adultério. Os casais, em uma produção pornô cristã nunca devem ter relações adúlteras, a menos que seja para demonstrar que eles e seus parceiros sofrem e são punidos pelos seus pecados.
Deve ser inspirador, centrada no reforço do matrimônio cristão e da fé cristã. Pornô cristão deve ter uma mensagem positiva. Evidentemente, a sua mensagem principal seria o de demonstrar o uso sagrado da sexualidade e sensualidade para reforçar os laços do casamento cristão. Mas em todos os outros aspectos, deverá afirmar valores cristãos na comunidade, na família, valores de fé, honestidade, caridade, e assim por diante. O filme deve demonstrar que ter uma vida sexual alegre e que satisfaça o casamento é um dos frutos de seguir o caminho da retidão.
Sem obscenidades. Embora exclamações de prazer sejam aceitáveis, como são os sons naturais nas expressões no ato sexual, Cristianismo pornô não deve conter obscenidades ou juramentos. Os participantes deverão abordar uns aos outros com amor e respeito em todas as ocasiões
A utilização correta do pornô cristão
O principal objetivo da pornografia cristã é permitir que casais cristãos casados possam celebrar melhor a sua sexualidade, a fim de se tornar mais íntimo entre si e desfrutar de uma vida mais íntima com o Senhor. Nós encaramos os casais assistindo estes filmes e vídeos em conjunto, utilizando-os para iniciar um diálogo franco e aberto sobre a sexualidade e as suas próprias relações sexuais e, em seguida, aplicar as técnicas ilustradas nos filmes e incorporá-las em seus próprios atos. “O pornô cristão não se destina a substituir o sexo no casamento, nem o seu objetivo é simplesmente o de despertar o apetite sexual do marido e da mulher mas incentivá-los a usar os seus apetites sexuais com maior efeito”.

Será que ninguém persebe que há exageiro de todos lados? De um lado, temos os cristãos reacionários e conservadores(fundamentalistas) que acham que sexo prazeiroso, no momento e com a pessoa certa, é "coisa do diabo". Do outro, cristãos liberais que dizem que vale tudo (não só entre quatro paredes e à dois), desde sexo a três, filme pornô cristão e troca de casais. Será que é tão difícil para a Igreja ser equilibrada e menos polarizada?

colaboração: Márcia Bin

Hoje comemora-se a Reforma Protestante

Nessa sexta-feira (31/10) comemora-se 91 anos da Reforma Luterana, marco de criação do movimento protestante no mundo. Em 31 de outubro de 1517 foram pregadas as 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, com um convite aberto ao debate sobre elas, fato que é considerado como o início da Reforma Protestante. As teses abominavam o paganismo na Igreja e pediam um debate teológico sobre as indulgências. As 95 Teses foram logo transcritas para o alemão e amplamente impressas, sendo que após um mês já haviam se espalhado por todo continente Europeu. Leia abaixo a entrevista do jornalista Nelson Dutra com o coordenador do curso de Teologia da ULBRA (Univesidade Luterana do Brasil), Leopoldo Heimann:

ACS/Imprensa - Quais foram as causas da reforma luterana?

Leopoldo Heimann - Muitas. Destaco apenas as três que considero as maiores:

A valorização da Tradição Eclesiástica acima da Sagrada Escritura, que é a inspirada e infalível Palavra de Deus. A corrupção espiritual e moral do clero, incluindo padres, bispos e o próprio papa da época e a venda de indulgência, isto é, a compra a dinheiro do perdão dos pecados e da salvação eterna. Um escritor católico da época disse: “A igreja precisava de uma reforma dos pés à cabeça”. Neste contexto entra Lutero.

ACS/Imprensa - Que legado ela deixou para os dias de hoje?

Leopoldo Heimann - O maior legado é doutrinário, ainda válido e pregado pela Igreja Luterana em nossos dias: os chamados “três solas”, em língua latina.

A Sola Scriptura, isto é, somente a Escritura como fonte e norma da doutrina cristã;

A Sola Gratia, isto é, somente por graça de Deus o pecador pode ser salvo;

A Sola Fide, isto é, somente pela fé em Cristo (e não por obras ou méritos humanos) o pecador pode ser salvo.

ACS/Imprensa - Hoje, o que diferencia a Igreja Luterana da Católica, por exemplo?

Leopoldo Heimann - Apesar das divergências, é próprio lembrar que a “Igreja Católica” e a “Igreja Luterana” são igrejas cristãs. Também é preciso frisar que há convergência e unanimidade em muitas doutrinas e em muitas colocações morais e éticas. Diferenças? Apesar da Igreja Católica ser diferente e melhor hoje do que no século XVI, ainda persistem discrepâncias doutrinárias como estas: equivalência de Tradição e Escritura, o ensino da salvação por obras, Maria como medianeira, Santa Ceia, purgatório, infalibilidade do Papa, etc. Contudo, o diálogo ecumênico ou interreligioso entre as duas igrejas é bem “mais humano, harmonioso e teológico” hoje do que nos tempos de Lutero.

ACS/Imprensa - Na sua opinião, independente de que credo seja, as religiões estão mais flexíveis em relação aos seus dogmas?

Leopoldo Heimann - Não são mais flexíveis. As grandes religiões universais não-cristãs continuam irredutíveis em seu fanatismo (até à morte). A mídia o comprova. Determinadas “seitas novas”, que se proliferam assustadoramente, manifestam desprezo, ódio e “fanatismo cego” em relação às outras igrejas ou religiões. São “cegos guiando cegos”.

ACS/Imprensa - Haveria hoje, condições/necessidade para uma nova reforma?

Leopoldo Heimann - A premissa sóbria e maior sobre esta questão, os teólogos manifestam no principio latino: “Ecclesia semper reformanda est”, isto é, a “igreja sempre é reformável”. Assim será até à parusia de Cristo. Na Igreja Luterana não há necessidade de mudanças doutrinárias, mas há necessidade de reformas, adequações e pronunciamentos precisos sobre questões de ordem moral e ética. Inclusive na própria pregação do evangelho neste agitado mundo pluralista e instável do século XXI. Pensando no compromisso do Curso de Teologia da ULBRA, na Igreja Luterana, nas religiões universais, nos professores, pregadores e alunos é oportuno abrir a Sagrada Escritura e lembrar a recomendação de Lutero, o Reformador: Continuem firmes em ler, em ensinar, em aprender, em meditar e em refletir!

Mulheres são de Vênus


Pesquisa realizada nos EstadosUnidos mostrou que os homens usam em média 1.500 palavras por dia, enquanto as mulheres usam no mínimo 3.000 (o dobro!!).

No congresso onde este estudo foi apresentado, uma mulher levantou-se e disse:

- É lógico que as mulheres falem o dobro que os homens. Nós temos que repetir tudo o que dizemos para os homens entenderem.

E o apresentador perguntou:

- Como assim?

do pavablog

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Bible in a minute




Escola Dominical fastfood. Em menos de um minuto você passa por toda narrativa bíblica, em ritmo de rap.

Fumo passivo custa R$ 37 mi por ano ao governo do País


O governo gasta R$ 37 milhões por ano com tratamento de saúde e pensões pagas pela morte de vítimas de doenças provocada pelo tabagismo passivo. Esse cálculo foi feito pelo estudo "Impacto do Custo de Doenças relacionadas com o tabagismo passivo no Brasil", pesquisa econômica encomendada pelo Instituto Nacional do Câncer à Universidade Federal do Rio de Janeiro e divulgado hoje pela manhã.

O estudo teve como base a estimativa entre "mortalidade atribuível ao tabagismo passivo no Brasil", que calculou que 2.655 não fumantes morrem todo o ano no País em conseqüência de doenças isquêmicas do coração, principalmente enfarte, acidente vascular cerebral e câncer de pulmão - as três principais doenças relacionadas ao fumo. Dos R$ 37 milhões, R$ 19,15 milhões referem-se aos gastos do Sistema Único de Saúde (SUS) e R$ 18 milhões são pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

fonte: O Estado de S. Paulo

Billy Graham no Brasil

Em novembro, a Rede Bandeirantes transmitirá programas especiais de evangelização da organização de Billy Graham em parceria com algumas igrejas protestantes brasileiras, como presbiterianas, batistas, congregacionais, metodistas, e algumas denominações pentecostais e neo-pentecostais.

do blog do Jasiel Botelho

Os 10 Países mais “ansiosos” do mundo

Levantamento feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), dos dez países onde existem mais pessoas ansiosas, em porcetagem de pessoas que possui pelo menos um transtorno de ansiedade ao longo do tempo.

1º. Paquistão - 28% da população
2º. Estados Unidos - 25%
3º. Colômbia - 24%
4º. Brasil - 23%
5º. África do Sul - 23%
6º. Canadá - 21%
7º. Inglaterra - 20%
8º. Holanda - 20%
9º. China - 19%
10º. Arábia Saudita - 16%


do Lista10

Pastor usa nome de Jesus para fazer 'merchan' de consórcio na TV



Se existe uma "vítima" da chamada Teologia da Prosperidade ela é a própria palavra escrita na Bíblia. Essa teoria (ou prática teológica) tem se disseminado de forma surpreendente, e é defendida por evangélicos que crêem --grosso modo-- que Deus tem algum tipo de dívida para com o ser humano, ou que tem uma espécie de acordo (com ares de obrigação) de dar-lhe riqueza e felicidade caso a pessoa realmente tenha fé e o queira. A contrapartida geralmente é o fiel desembolsar alguma riqueza própria (dinheiro) em troca da riqueza maior futura.

Veja o vídeo com o pastor O pastor evangélico Marco Feliciano, do Ministério Tempo de Avivamento, leva a teoria às últimas consequências em site e em programa na Rede TV. Enquanto garante que Deus atenderá a todos os pedidos de "fiéis", "perseverantes" ou "valentes", ele aproveita e vende cursos de teologia, DVDs, CDs de músicas e camisetas. Até aí, ok, nada demais. Mas ele também usa o nome de Jesus em merchandisings.

Segundos após realizar uma oração inflamada (que inclui palavras de língua desconhecida), pastor Feliciano ressurge como garoto-propaganda no mesmo cenário para vender um consórcio de casa própria, o GMF Consórcios.

"Você realiza, então, em nome de Jesus, o sonho da casa própria", diz o pastor.

Bíblia, hermenêutica e edição

Os pastores e bispos adeptos da teologia ou teoria da prosperidade fazem uso da hermenêutica na leitura da Bíblia para garantir que o que estão fazendo não viola as regras de Deus ou de Jesus. Trata-se de uma espécie de "edição" de conteúdo: cada um usa a Bíblia da forma que lhe interessa.

Senão vejamos: a orientação divina para que os humanos não se percam em desejos materiais em detrimento ao amor por Deus está citada duas vezes, de forma muito semelhante, em dois diferentes Evangelhos.

Em Lucas, 16:13, lê-se: "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas."

Da mesma forma, em Mateus 6:24, está: "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom".

Por outro lado há outro trecho em Lucas , 11:9, que diz que ao pedir algo a Deus, o fiel simplesmente receberá o que deseja (de acordo com o merecimento e fé, pressupõem-se). Mas sem precisar fazer um carnê de desafio com uma igreja. Sem intermediários.

"Por isso eu digo: peçam e vocês receberão; procurem e vocês acharão; batam, e a porta será aberta para vocês." No caso do pastor do "merchan", a porta começa com um consórcio para a casa própria.

Ricardo Feltrin, Colunista do UOL

Cegueira CAPETAlista...


O escritor português José Saramago afirmou nesta segunda-feira que Karl Marx "nunca teve tanta razão como agora", sobre a atual crise do sistema capitalista.

O escritor fez a declaração em uma entrevista coletiva sobre o lançamento do filme "Ensaio sobre a Cegueira", de Fernando Meirelles, em Lisboa.

"Onde estava todo esse dinheiro [desbloqueado para resgatar os bancos]? Estava muito bem guardado. Logo apareceu, de repente, para salvar o quê? Vidas? Não, os bancos", declarou o prêmio Nobel de Literatura de 1998.

"Marx nunca teve tanta razão como agora", ressaltou José Saramago, acrescentando que "as piores conseqüências ainda não se manifestaram".

Ao ser ouvido sobre o vínculo entre o tema de seu romance e a crise financeira, o escritor respondeu que "sempre estamos mais ou menos cegos, sobretudo, para o fundamental".
Nos seus 85 anos, José Saramago publicou dezenas de obras, entre prosa, poesia, ensaio e teatro.
Em agosto último, apenas recuperado de uma pneumonia, terminou de escrever seu último romance, "A Viagem do Elefante", uma história épica e jovial sobre o périplo de um elefante asiático pela Europa do século 16.


fonte: France Presse [via Folha Online]

Ainda tenho chorado bastante por causa dos riscos que as instituições bancárias correm. Todos somos testemunhas de quão pouco lucrativas elas têm sido ao longo dos anos. Sugiro que tornem-se sociedades beneficentes...


segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Até que o 'delete' os separe...

Divórcio virtual

Mulher é presa depois de matar o marido virtual no Japão

A polícia do Japão prendeu uma mulher acusada de ter matado o seu 'marido' em um mundo virtual. Ela alega que ficou brava ao ser divorciada do marido virtual sem aviso em um jogo online. A informação é da agência BBC.

O avatar (marido) 'morto' era o alter-ego virtual de um homem de 33 anos, que chamou a polícia após descobrir que seu perfil no jogo havia sido apagado. A suposta assassina virtual, uma professora de piano de 43 anos, está sendo mantida em uma prisão na cidade de Sapporo, ao norte do país.

A polícia a acusa de acessar de forma fraudulenta a conta da vítima no jogo. Se condenada, poderá receber uma pena de até cinco anos de prisão ou multa de até R$ 12 mil.

Os avatares da mulher e da vítima haviam se conhecido na internet e se casaram virtualmente em um jogo popular, chamado Maplestory. Segundo a polícia, apesar de a mulher não ter cometido qualquer agressão física contra sua vítima no mundo real, ela deverá ser indiciada por acessar ilegalmente um computador e manipular dados.

O Maplestory é um jogo fabricado na Coréia do Sul que ganhou muita popularidade em diversos países do Oriente. O principal objetivo do jogo é derrotar monstros, mas ele também pode servir para outras atividades sociais, como relacionamentos e até casamentos virtuais entre os avatares.


da Revista Consultor Jurídico

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

POR QUE JESUS MANDOU PREGAR?


Por que Jesus mandou pregar o Evangelho?

Primeiro devo começar com o que não é objetivo do anuncio do Evangelho, mas que entre a multidão dos discípulos equivocados, é aclamado como sendo parte do objetivo do Evangelho.

Não é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado a fim de fazer as pessoas mudarem de religião.

Nem tampouco para que as pessoas passem a freqüentar um templo, nem para cantarem hinos para Jesus entre chineses ou hindus, esquimós ou índios nus, como dizia o “corinho” da Escola Dominical.

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para que o Cristianismo se expanda na Terra. Deus não é cristão, contrariamente ao que alguns dizem: “O Deus cristão é...” assim ou assado...

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para despovoar o inferno e povoar o céu, como se tudo dependesse da iniciativa do “cristianismo” para a salvação humana.

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para que os crentes sejam “glorificados” na Terra.

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para batizar pessoas usando muita ou pouca água.

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para que se discuta com os novos convertidos o resto da vida acerca de quem joio e quem é trigo.

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para criarmos impérios de comunicação cristãos.

Nem ainda é objetivo de Jesus que o Evangelho seja anunciado para qualquer coisa que não seja a encarnação do bem do Evangelho no coração das pessoas.

O Evangelho é a noticia de Deus aos homens, a saber: que Deus estava em Cristo reconciliando consigo mesmo o mundo todo.

Jesus não ergueu nada fora do coração humano, correndo todos os riscos de tal “confiança” na natureza humana, pois, de fato, fora do coração não cabe nada que seja essencialmente reino de Deus.

Qualquer bem do Evangelho será sempre vida. E vida como o ensino e conforme a prática de Jesus, no espírito de tudo o que Ele viveu e, assim, ensinou.

O Evangelho, portanto, antes de tudo é Reconciliação.

Sim! É Reconciliação do homem com Deus, consigo mesmo e com o próximo, mesmo que o próximo seja inimigo, pois, assim como Deus se reconciliou conosco sendo nós inimigos de Deus no entendimento e nas praticas de obras perversas e alienadas, ainda assim Ele nos amou e nos ama, e, unilateralmente se reconciliou conosco.

É Reconciliação com Deus porque Deus a fez e feita está. Assim, não há o que discutir, mas apenas dizer “quero” ou “não quero”.

É Reconciliação do homem consigo mesmo porque Deus o perdoou. Portanto, perdoado está todo homem que creia que está perdoado; e assim viva como quem crê que está perdoado, perdoando outros, como Deus em Cristo o perdoou.

É Reconciliação do homem com seu próximo, pois, quem foi perdoado de tudo, perdoa tudo e segue em amor.

Portanto, é apenas Reconciliação que o Evangelho carrega como objetivo.

Por causa disso, o Evangelho é também Reconciliação do homem com o todo da criação de Deus, pois, se o que existe é de Deus, e nós dizemos que Dele somos, o natural é amar a tudo o que Ele criou, e proteger cada coisa para ter sua própria existência.

Se a pregação gera isto como vida, então é o Evangelho que se está pregando. Mas se não gera, ou é porque quem ouve não quer ou não entende; ou, então, é porque não é o Evangelho que está sendo pregado.

O Evangelho ensina tudo, menos uma religião. Aliás, desde que João disse que na Nova Jerusalém não há santuário que ficamos sabendo que o Evangelho é ateu de religião.

É simples assim.

O Evangelho é o bem das ovelhas de Jesus em todos os outros apriscos.

Ora, o Evangelho pode ser o bem de Jesus até para cristãos, quanto mais para todos os homens.

É ou não é?


Caio

01 de outubro de 08, Lago Norte, Brasília

do site do Caio Fábio

Pum, para baixar a pressão

Um gás liberado em flatulências e em "bombas de cheiro" pode desempenhar o papel de regular a pressão sangüínea, segundo um estudo da John Hopkins University publicado pela revista especializada "Science".

Pequenas quantidade de sulfeto de hidrogênio - um gás tóxico gerado por bactérias que vivem no intestino humano - são responsáveis pelo mau cheiro de flatulências.

Mas o estudo mostra que esse gás também é produzido por uma enzima encontrada em células que revestem os vasos sangüíneos, chamada CSE, e ele teria o papel de relaxar essas veias e baixar a pressão.

As conclusões, tiradas a partir de um estudo com camundongos, podem levar a novos tratamentos para a pressão alta.

Experiência

No estudo, camundongos geneticamente modificados para ter deficiência da enzima CSE apresentaram níveis de sulfeto de hidrogênio quase nulos, em comparação com camundongos normais.

Os cobaias com deficiência da enzima apresentavam pressão sanguínea cerca de 20% mais alta do que os normais, resultados comparáveis à pressão alta em humanos.

Quando os camundongos modificados receberam um remédio para relaxar as veias - metacolina - não houve diferença, indicando que o gás é responsável pelo relaxamento.

Já se sabe que outro gás, o óxido nítrico, está envolvido no controle da pressão sanguínea.

"Agora que sabemos que o sulfeto de hidrogênio tem um papel no controle da pressão, pode ser possível criar terapias com remédios que aumentem sua produção como alternativa para os atuais métodos de tratamento de hipertensão", disse o pesquisador Solomon Snyder.

fonte: da BBC e G1
[via pavablog]

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

O Preço da infidelidade: E$capadinha saiu caro

Mulher que foi traída pelo marido deve ser indenizada

Amulher que for traída e provar que isso lhe trouxe sofrimento e humilhação tem o direito de ser indenizada por danos morais. Este foi o entendimento do juiz da 3ª Vara de Família de Campo Grande, Luiz Cláudio Bonassini da Silva, que condenou o marido a pagar R$ 53,9 mil para mulher por ter mantido relações extraconjugais.

“Apesar de conturbada, a convivência do casal estendia-se por mais de 30 anos, e gerou dois filhos, merecendo, com certeza, final mais digno”, afirmou o juiz.

Consta nos autos que, em razão do comportamento estranho do marido, a autora da ação começou a investigá-lo. Descobriu que ele mantinha casos extraconjugais e, em um deles, teve uma filha, que hoje tem 24 anos. O marido contestou dizendo que a mulher já sabia da existência dessa filha e havia aceitado a situação, inclusive perdoado.

Um laudo psicológico demonstrou que a autora da ação sofreu grande angústia, ansiedade e depressão relativa à decepção e desgostos que vivenciou na relação conjugal. No depoimento, a mulher ressaltou que era para ter se separado antes, mas não o fez porque seu pai prezava muito a família e a impediu. O pai dela morreu em 2004.

Para julgar o mérito da indenização, o juiz tomou como base o Código Civil, que autoriza a indenização por danos morais em caso de lesão aos direitos da personalidade, consagrados pela Constituição Federal, que inclui o direito da dignidade da pessoa humana. Ele afirmou que, por se tratar de pedido de indenização por danos morais entre cônjuges, é necessário que o fato tenha sido determinante para o fim da sociedade conjugal, por tornar insuportável a vida em comum.

Revista Consultor Jurídico

Clássicos de maior rivalidade

Corinthians x Palmeiras é considerado um dos 10 maiores clássicos do mundo

A rede de televisão norte-americana CNN divulgou nesta quarta-feira uma lista das 10 maiores rivalidades do futebol mundial. E o único clássico brasileiro que aparece na lista é Corinthians x Palmeiras, que neste ano completou 91 anos de idade.

Com um total de 327 jogos, o clássico paulista envolve muita rivalidade. O Palmeiras leva uma pequena vantagem na disputa, somando 119 vitórias, enquanto o Corinthians conta com 112. Os empates contabilizam 96 partidas. O último jogo entre as duas equipes ocorreu no Campeonao Paulista deste ano, vitória palmeirense por 1 a 0, gol do chileno Valdivia, hoje no Qatar.

Único confronto brasileiro na listagem, Corinthians e Palmeiras ganhou destaque apenas com a nona posição, porém, desbancou outros conforntos regionais tradicionais como Grêmio x Internacional, Cruzeiro x Atlético-MG e Flamengo x Vasco.

O derby escocês Celtic e Rangers, também conhecido como Old Firm (velha empresa) foi eleito o maior confronto de todos. Além das históricas 549 partidas entre as equipes, o embate ultrapassa as quatro linhas, envolvendo disputas religiosas e políticas. Boca Juniors e River Plate, digno de parar toda a Argentina, ficou na terceira posição, atrás de Lazio e Roma, conhecido pela violência de seus torcedores.

Recentemente o site CNN.com analisou também os 10 principais museus destinados ao futebol, destacando a inauguração do Museu de Futebol, em São Paulo.

Confira a lista das 10 maiores rivalidades:

1) Celtic x Rangers, Escócia (Glasgow)
2) Lazio x Roma, Itália (Roma)
3) Boca Juniors x River Plate, Argentina (Buenos Aires)
4) Al Ahly x Zamalek, Egito (Cairo)
5) Galatasaray x Fenerbahce, Turquia (Istambul)
6) Olympiakos x Panathinaikos, Grécia (Atenas)
7) Estrela Vermelha x Partizan, Sérvia (Belgrado)
8) Wydad x Raja Casablanca, Marrocos (Casablanca)
9) Corinthians x Palmeiras, Brasil (São Paulo)
10) Peñarol x Nacional, Uruguai (Montevidéu)

informações do lancenet

grifei os que considero mais importantes. Os outros, eu substituiria por Milan x Internazionale, Barcelona x Real Madrid, Juventus x Torino, Flamengo x Fluminense, Grêmio x Internacional.
Publicar postagem

Valendo para outros esportes, temos Boston RedSox x New York Yankees, Boston Celtics x Los Angeles Lakers. Mas a maior rivalidade de todas com certeza é:

IPI PAULO SILAS X IP PARQUE DAS NAÇÕES

Pseudo-pentecostais: nem evangélicos, nem protestantes


Um grande equívoco cometido pelos sociólogos da religião é o de por sob a mesma rubrica de “pentecostalismo” dois fenômenos distintos. De um lado, o pentecostalismo propriamente dito, tipificado, no Brasil, pelas Assembléias de Deus; e do outro, o impropriamente denominado “neopentecostalismo”, melhor tipificado pela Igreja Universal do Reino de Deus.

Um estudioso propôs denominar essas últimas de pós-pentecostais: um fenômeno que se seguiu a outro, mas que com ele não se conecta, pois “neo” se refere a uma manifestação nova de algo já existente. Correntes de sociologia argentina já os denominaram de “iso-pentecostalismo”: algo que parece, mas não é. Lucidez e coragem teve Washington Franco, em sua dissertação de mestrado na Universidade Federal de Alagoas, quando classificou o fenômeno representando pela IURD de “pseudo-pentecostalismo”: algo que não é.

Um estudo acurado dos tipos ideais, Assembléia de Deus e Igreja Universal do Reino de Deus, sob uma ótica sociológica, ou uma ótica teológica, nos levará à conclusão que se trata de duas manifestações religiosas diversas, que não podem -- nem devem -- ser colocadas sob uma mesma classificação. Ao se somar, a partir do Censo Religioso, esses dois agrupamentos, tem-se um alto índice de “pentecostais”, constituídos, contudo, pelos que o são e pelos que não o são. Equiparar ambos os fenômenos não faz justiça à Igreja Universal e ofende a Assembléia de Deus.

Podemos afirmar, ainda, um segundo equívoco dos analistas: considerar a IURD e suas congêneres como “evangélicas”. Elas próprias, por muito tempo, relutaram em se ver como tal, pretendendo ser tidas como um fenômeno religioso distinto, e terminaram por aceitar a classificação “evangélica” por uma estratégia política de hegemonizar um segmento religioso mais amplo no cenário do Estado e da sociedade civil. O evangelicalismo é marcado pela credalidade histórica e pela ênfase doutrinária reformada na doutrina da expiação dos pecados na cruz e na necessidade de conversão, ou novo nascimento.

Se o pseudo-pentecostalismo não é pentecostalismo, nem, tampouco, evangelicalismo, também não é protestantismo. O discurso e a prática dessa expressão religiosa indicam a inexistência de vínculos ou pontos de contatos com a Reforma Protestante do Século 16: as Escrituras, Cristo, a graça, a fé. Chamar o bispo Macedo de protestante é de fazer tremer o Muro da Reforma, em Genebra, e os ossos de Lutero e Calvino em seus túmulos.

Muita gente tem incluído a IURD, e assemelhadas, como pentecostais, evangélicas ou protestantes, para inflar, de forma triunfalista, os números, ou por temor de retaliações legais, ou extralegais, vindas daquelas instituições. Se sociólogos têm denominado manifestações novas na cristandade, como as Testemunhas de Jeová, os Mórmons, ou a Ciência Cristã, como “seitas para-cristãs”, podemos denominar a Igreja Universal e congêneres de “seitas para-protestantes”.

O que se constata, cada vez mais, é que o fenômeno pseudo-pentecostal tem concorrido para uma maior aproximação entre os pentecostais (já tidos como históricos, por sua antigüidade e mobilidade social e cultural) e as igrejas históricas. De um lado, os pentecostais redescobrem o valor da história, de uma confessionalidade e de uma teologia sólida; do outro, os históricos vão flexibilizando (ou ampliando) a sua pneumatologia, reconhecendo a contemporaneidade dos dons do Espírito Santo.

O fosso entre pentecostais e pseudo-pentecostais tende a aumentar, não só pela aproximação entre pentecostais e históricos, mas também pela crescente adesão dos pseudo-pentecostais a ensinos e práticas sincréticas, como o catolicismo romano popular e os cultos afro-ameríndios. Quando estudantes de teologia assembleianos, batistas nacionais ou presbiterianos renovados aprendem com teólogos anglicanos (John Stott, J.I. Packer, Michael Greene, Alister McGrath, N.T. Wright), e anglicanos, luteranos ou presbiterianos usam de um louvor mais exuberante e oram por cura e libertação, na expressão de Gramsci, um novo “bloco histórico” vai se formando (retardado pelo extremo fracionamento entre ambos os segmentos), do qual, é claro, não faz parte o pseudo-pentecostalismo.

Esse “bloco histórico” em formação, para se consolidar, não apenas deve se conhecer mais mutuamente, somando conceitos e subtraindo preconceitos, mas também responder aos desafios de um pluralismo que inclui a diversidade do catolicismo romano, o pseudo-pentecostalismo, o esoterismo, os sem-religião e um agressivo secularismo, emoldurado pelo relativismo pós-moderno. Isso passa, necessariamente, pelo aprender com a história da igreja -- durante, depois e “antes” da Reforma -- e pela superação de uma iconoclastia que, equivocadamente, equipara o artístico com o idolátrico.

Contamos com estadistas do reino de Deus, com humildade, visão e coragem para consolidar esse bloco?

Robinson Cavalcanti, para revista Ultimato


Dom Robinson Cavalcanti é bispo anglicano da Diocese do Recife e autor de, entre outros, Cristianismo e Política -- teoria bíblica e prática histórica e A Igreja, o País e o Mundo -- desafios a uma fé engajada.

Barato: brincando de se drogar


Fumar no narguile é mais perigoso que cigarro

Ao contrário do que muitos jovens e adolescentes pensam, o narguile ou narguilé é uma droga lícita como o cigarro, e não um brinquedinho para fazer fumacinha. A venda de produtos de fumo a menores de 18 anos é proibida no Brasil, determina o Estatuto da Criança e do Adolescente. Por desconhecimento da lei e dos riscos à saúde, pais permitem que os filhos usem o narguile. No meu condomínio, por exemplo, virou rotina encontrar crianças e adolescentes dando um trago na mangueira presa ao vaso. Legal, não é?

Para quem não sabe, em todo narguile há a queima de tabaco ou outra droga, sempre acompanhada de essências de frutas ou flores para adocicar o aroma e o sabor. Neste caso, as consequências são piores, já que o o jovem acaba consumindo um produto cancerígeno sem perceber o mal que está causando a si mesmo, pois o aroma leve o ilude com a sensação de ser “fraco”. Uma recente investigação (2005) demonstra que a fumaça do narguile tem o mesmo impacto que a fumaça do cigarro sobre a saúde dentes e gengivas.

Além disso, estudos mostram que fumar durante uma hora no narguile é igual ao consumo de 100 a 200 cigarros, segundo alerta da Organização Mundial da Saúde(OMS). Segundo a OMS, o tabaco contém 4.700 substâncias tóxicas (sendo 400 cancerígenas) e a água do narguile não filtra, apenas esfria a fumaça, possibilitando, portanto a inalação de maior quantidade de substâncias prejudiciais à saúde. Dentre as substâncias que o fumante estaria exposto seriam 36 vezes mais alcatrão, 15 vezes mais monóxido de carbono e 70% mais nicotina que num cigarro.

Por isso fumar no narguile é mais perigoso que fumar cigarro, compara o toxicologista Anthony Wong, do Hospital das Clínicas. Outros estudos médicos demonstraram que a queima do tabaco no narguilé gera a produção de nitrosaminas carcinogenicas e que o carvão usado para a queima adiciona hidrocarbonetos e metais pesados na fumaça.

O aparelho foi criado para fumar tabaco, mas vem também sendo utilizado para fumar maconha ou crack. E a água, trocada por pinga, vodka e outras bebidas. Outro risco: compartilhar a piteira do narguile significa ser candidato a herpes, hepatite A e tuberculose. Alguns especialistas dizem, ainda, que numa sessão de 45 minutos de narguilé o fumante estaria exposto a 36 vezes mais alcatrão, 15 vezes mais monóxido de carbono e 70% mais nicotina que num cigarro.

com informações da Jovem Pan

ps: Narguilé é um cachimbo de água utilizado para fumar. Além desse nome, de origem árabe, também é chamado de hookah (na Índia e outros países que falam inglês), shisha ou goza (nos países do norte da África), narguilê, narguila, nakla, arguile, naguilé etc. Há diferenças regionais no formato e no funcionamento, mas o princípio comum é o fato de a fumaça passar pela água antes de chegar ao fumante. É tradicionalmente utilizado em muitos países do mundo, em especial no Norte da África, Oriente Médio e Sul da Ásia.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Negócio divino

Fiel que doa cheque sem fundo vai para cadastro de devedor

A Igreja Universal do Reino de Deus não terá que pagar indenização por danos morais para um fiel que teve seu nome incluído no cadastro de inadimplentes porque pagou o dízimo com cheque sem fundo. Para os desembargadores da 19ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, o dízimo é uma doação regulada pelo Código Civil, que não prevê a desistência unilateral uma vez fechado negócio.

O fiel da cidade de São José dos Campos (SP) foi à Justiça para receber R$ 300 mil porque seu nome foi incluído no cadastro de inadimplentes. No dia 10 de julho de 2005, ele assinou um cheque pré-datado de R$ 1 mil. Segundo o fiel, o pagamento exprimia ato de fé.

Com a doação, ele queria ajuda divina para vender uma moto. No entanto, o negócio não aconteceu. Quando a igreja foi depositar o cheque, ele estava sem fundos. Nos cultos seguintes, segundo o processo, o pastor dizia para todos que o fiel era um mau cristão que enganou Deus.

O pedido do fiel foi negado em primeira instância. Ele recorreu, então, ao TJ paulista. Para o relator, desembargador Conti Machado, a doação foi válida e perfeita. Embora tenha sido feita verbalmente, tratava-se de um valor de pequena importância. Esse tipo de negócio, lembra o desembargador, é regulado pelo parágrafo único do artigo 541 do Código Civil.

“A ordem jurídica, da mesma sorte, também não prevê a possibilidade de ‘desistência da doação’ por denúncia vazia puramente potestativa e unilateral do doador, de modo que a igreja embargante sequer estava compelida a ter devolver a importância doada, o que fez à guisa de evidente liberdade”, argumenta Machado.

O desembargador afirmou que a doação pode ser revogada por ingratidão. Mas, no caso, não se pode dizer a igreja foi ingrata. O pedido de danos morais foi negado por três dos cinco desembargadores que votaram.

Um dos votos vencidos foi do desembargador Ricardo Negrão. Ele entendeu que o caso não deve ser tratado com base no Código Civil, mas no plano das relações entre igreja e fiel. “É evidente que as ofertas, dízimos e outras contribuições que se fazem à igreja pelos fiéis que as freqüentam não são preço por serviços prestados, nem podem caracterizar-se como obrigatórias diante da lei civil”, argumentou.

fonte: Revista Consultor Jurídico

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Casagrande: "Sou dependente químico, um doente"


Comentarista concedeu entrevista ao programa Altas Horas e falou sobre a recuperação do vício

SÃO PAULO - Após um ano internado em uma clínica de reabilitação, Walter Casagrande Júnior rompeu o silêncio. Em entrevista ao programa Altas Horas, da TV Globo, ele se definiu como um “doente”, admitiu que usava drogas desde os tempos de jogador e revelou que teve uma overdose em frente ao filho de 13 anos. “Casão” começou a se envolver com entorpecentes nos tempos de atleta, mas o problema se agravou com a aposentadoria dos gramados. ”Eu tinha curiosidade por droga desde garoto e, quando comecei, não foi com maconha. Já comecei com coisa mais pesada. Na minha época, não tinha exame antidoping para cocaína, só para anfetamina. Então eu fumava muita maconha, cheirava muita cocaína e jogava normalmente. Mas não usava para jogar. Usava por prazer na sexta-feira, no sábado, e jogava no domingo”, contou.

A ida para a Itália, onde jogou por oito anos, o afastou temporariamente das drogas, mas o fim da carreira fez com que o problema voltasse com força máxima. “Logo que cheguei na Itália, voltei a ter contato com a heroína. Usei, mas fiquei com medo e parei. Aí voltei para o Flamengo, depois fui para o Corinthians e continuei sem usar. Quando parei, comecei a jogar tênis e correr, mas havia um vazio em mim. Sentia necessidade daquela adrenalina, daquela euforia que era disputar um Corinthians e Palmeiras com 100 mil pessoas no estádio. Fiquei maluco”, disparou o ex-jogador.

“Eu nunca vivi o meio do futebol. Vivia o meio da música, do rock, do cinema, tinha envolvimento político. Gostava de viver no limite. Sou da geração em que os ídolos morreram de overdose. Quando parei de jogar aí caí de cabeça nas drogas”, completou.

Casagrande definiu como “o pior momento deste processo” a overdose que teve em frente ao filho de 13 anos. “Tenho um poder de autodestruição muito grande. Tive quatro overdoses, uma delas na frente do meu filho de 13 anos. Estávamos em casa e combinamos de sair para jantar. Ele foi tomar um banho e eu aproveitei para ir ao banheiro injetar heroína. Só que a quantidade foi grande demais, e eu tive uma convulsão. Meu filho batia na porta e eu estava me debatendo lá dentro. Fiquei um ano na clinica e ficaria o tempo que fosse preciso para não passar por isso de novo”, disparou.

Victor Casagrande, seu filho mais velho, de 22 anos, decidiu internar o pai no ano passado, depois de o ex-jogador sofrer um acidente automobilístico e ficar em estado de coma por um dia. “Quando cheguei ao hospital eu, que tenho 1,91m de altura, estava com 71 kg e várias marcas de drogas injetáveis no braço”, revelou.

O ex-jogador só teve consciência da amplitude do problema após longo período internado. ''Perdi o controle da minha vida, o contato com a família e os amigos. Só percebi depois de oito meses convivendo apenas com os internos da clínica e vou ter de controlar a dependência para o resto da vida”, disse. “Comecei a ter dificuldade para trabalhar, mas achava que estava tudo bem. Achei que a droga não me incomodava, que não era um doente”.

O ex-atacante saiu da clínica há duas semanas e diariamente passa cerca de quatro horas e meia em um hospital com outros pacientes fazendo terapia para evitar recaídas. Ele espera retomar a carreira de comentarista na TV, mas ainda não se sente preparado.

“De todo tempo que passei internado, não tive contato com ninguém de fora nos primeiros oito meses. Então estou acostumado com isso. Por enquanto, não posso nem pensar em entrar em um estádio, por exemplo. É muita gente”, explicou.

Casão, porém, mostrou que mantém a língua afiada que o fez se destacar na época em que comentava os jogos. Quando questionado se participaria de campanhas de prevenção, esbanjou sinceridade. “Sou dependente químico. Seria hipócrita dizer ‘não use drogas’”, afirmou, antes de se emocionar. “Todos os dias são uma emoção nova para mim a partir de agora. Mas tenho de tomar cuidado, porque eu sou doente”.

Casão ainda brincou ao analisar o momento do Corinthians, onde fez história quando jogador. “Quer falar de droga também?”, perguntou ele, arrancando risos da platéia. O ex-jogador assistiu a poucas partidas enquanto esteve internado, mas já notou deficiências na equipe do Timão. “Para a Série A, o time vai precisar de quatro ou cinco reforços de peso”, finalizou.

fonte: Gazeta Esportiva

As aparências enganam




do blog do Jasiel Botelho

Repórter que faz trabalho de colunista deve receber adicional

Se o jornalista é contratado como repórter, mas passa a exercer também outra função, como a de colunista, tem direito ao adicional por acúmulo de funções. Segundo convenção coletiva da categoria, o aumento é de 30% sobre o salário. A decisão é da 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (Minas Gerais).

A autora da ação foi contratada como repórter em 1988. A partir de novembro de 2005, além da cobertura jornalística que já fazia, ela passou a escrever uma coluna semanal sobre pessoas desaparecidas.

A juíza Maria Perpétua Capanema Ferreira de Melo, relatora no TRT mineiro, entendeu que não há identidade entre as funções, embora a cobertura dos dois trabalhos tenha fosse feita na delegacia de pessoas desaparecida.

Isso porque, na condição de repórter, caberia à jornalista apenas colher as informações, preparando-as para serem divulgadas. Essa foi a sua atividade por mais de 15 anos. A partir do momento em que passou a escrever também coluna, ficou caracterizado o acúmulo de função.

“Não há que se falar que a atividade exercida pela autora como colunista inseria-se nas atribuições contratuais enquanto repórter, uma vez que restou incontroversa a existência de cargo específico para o colunista, o qual possui funções diversas daquela para a qual a reclamante fora contratada (repórter), configurando-se, portanto, o acúmulo de funções”, concluiu a juíza.

fonte: Revista Consultor Jurídico

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

À espera de um milagre

Com 20 anos, gospel nacional sucumbe diante do pop brega religioso

"Se não morreu, está aguardando lugar na UTI." É a resposta de Paulinho Makuko, vocalista do Katsbarnea, banda fundadora do denominado gospel no Brasil, questionado sobre uma eventual morte do movimento. Os motivos? Além de não cumprir o objetivo original de romper as barreiras do templo para levar o evangelho por uma via pop e acessível ao público não-cristão, o gênero afundou-se em um gueto religioso em maneirismos e expressões compreendidas apenas por adeptos fervorosos.

Único integrante da formação original da banda, formada em 1988 no porão de uma igreja evangélica árabe em São Paulo, Makuko entende que a etiqueta gospel pode ter represado as bandas evangélicas de rock dentro do ambiente religioso, impedindo a expansão para o cenário pop nacional. Voltado para si mesmo, acomodou-se satisfeito com shows em igrejas, festivais cristãos e a venda de discos para o público evangélico.

"Quando a gente começou, não existia o nome 'gospel'. Existia música evangélica, caretaça mesmo, um negócio que eu nem sabia que havia", ele lembra. A banda, que nos anos 90 tocou ao lado de Ira!, Zero, Supla e Violeta de Outono na extinta casa de shows Dama Xoc, em São Paulo, hoje se vê restrita a eventos promovidos por evangélicos.

Passados 20 anos, o movimento gospel está descontextualizado. Hoje, uma nova safra de cantores e artistas "voltados para dentro" arrasta multidões de crentes a shows-cultos e vende CDs e DVDs a essa mesma multidão, enquanto bandas de rock continuam longe do circuito nacional, e gravadoras e lojas especializadas fecham as portas. Em vez do pop nascido no fim dos 80, quem dá as cartas hoje é um estilo conhecido nas internas como "louvor e adoração". Embora comercialmente viável, essa música é assumidamente feita para cultos com uma roupagem popular. Com discos de ouro, platina e diamante já recebidos - segundo a MK Publicitá, gravadora forte no estilo -, cantores e bandas somam letras religiosas a referências do pop comercial dos anos 80, como Rosana, Jane Duboc e Gilliard.

"Isso é careta. O gospel nasceu, começou a crescer e parou porque voltou a ser música da igreja. O gospel mesmo, no Brasil, não existe. Não existe alguém como a [rainha do gospel norte-americano] Mahalia Jackson", lamenta Makuko. Kako, baterista dos Militantes, concorda. "Não existe sustentabilidade de banda gospel fora da igreja porque não existe novidade", diz o integrante da banda, que atualmente conclui as gravações de álbum produzido por Clemente (ex-Inocentes, atual Plebe Rude).

Duas ações isoladas ameaçaram expandir os tentáculos do gospel. Em 2001, o Oficina G3 subiu a um dos palcos do Rock in Rio 3 para o show de abertura. O que poderia ser uma virada na carreira - a banda nasceu em 1987 dentro de uma igreja paulistana - revelou-se controverso. Além de metralhados pela ala conservadora dos fiéis dias antes, a banda tocou as primeiras músicas para ninguém - um problema com a TV Globo fez a organização atrasar a abertura dos portões e, simultaneamente, obrigar o grupo a começar o show. "Saímos arrasados do palco", lembra o baixista Duca Tambasco. Mas depois disso, segundo a banda, diversas FMs do país se interessaram pelo hard rock do Oficina G3.

Kim, vocalista do Catedral, criado em meio à cena crente do final dos 80, foi o responsável pelo segundo movimento em direção ao pop. A banda assinou com a Warner em 1999 e nela lançou três discos. Hoje, está na Record Music, da Line Records (pertencente à Igreja Universal). Para ele, a ausência de criatividade responde pelo isolamento do gospel. "O mercado está se fechando para as bandas de rock. Sabe quando tinha a onda da lambada? O meio evangélico está vivendo uma onda", ele aponta. A análise vem de quem é comparado desde os tempos de cena cristã com Renato Russo - a voz de Kim é próxima demais à do legionário, morto em 1996.

Para a gravadora MK Publicitá, no entanto, tudo vai bem. A companhia acredita que, da produção enviada ao mercado, cerca de 20% é consumido por não-evangélicos. "Se o gospel é o terceiro estilo mais consumido no país, segundo a ABPD [Associação Brasileira dos Produtores de Discos], como podemos afirmar que ele está fechado? Não está, só não tem cobertura da grande mídia", entende Alomara Andrade, assessora de comunicação da gravadora. "Claro que poderíamos ter tido um nível maior de penetração, sobretudo na mídia não-segmentada. Mas não é porque não foi assim que vamos deixar de lutar por isso. No momento certo, acontecerá." Quando? Só Deus sabe.

Filipe Albuquerque, na Rolling Stone. [via pavablog]

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Leite de maconha: "baseado" no modelo da soja


Nada de leite de vaca ou de soja: a nova onda no Canadá é o leite de maconha. Agora, o leite de soja não é a única opção para quem não gosta ou não pode ingerir leite animal. Duas empresas lançaram leite e iogurte produzidos com a semente da Cannabis Sativa, em processo idêntico ao da soja.

A empresa Living Harvest Helpmilk lançou três sabores de leite de maconha: chocolate, baunilha e normal. Outra companhia canadense também aposta no setor, a Manitoba Harvest Hemp, que colocou no mercado iogurtes feitos de maconha. Mas não pense você que vai ficar doidão bebendo este leite, pois não contém THC - a substância psicotrópica presente na "erva".

A plantação da cannabis, legalizada no Canadá, é restrita aos usos industrias da planta: fibras, alimentos, entre outros produtos.

Os benefícios do leite de maconha são a maior quantidade de proteínas, a ausência de colesterol, o alto índice de vitaminas e das gorduras ômega 3 e ômega 6, substâncias necessárias para o bom funcionamento do nosso organismo, mas encontrada em poucos alimentos. Além disso, o produto também é rico em ácido gama-linolênico que, segundo alguns cientistas, ajuda na luta contra o câncer, a tratar inflamações e estimular o sistema imunológico.

O produto já é sucesso total nos supermercados canadenses, tanto que agora o leite e o iogurte começam a ser exportados para os Estados Unidos.

com informações da Istoé

Torcida organizada manda flores para São Paulo FC


Na semana do clássico entre Palmeiras e São Paulo, marcado para o próximo domingo, no Palestra Itália, a Mancha Alviverde, principal torcida organizada do Verdão resolveu inovar nas provocações ao rival: nesta terça-feira, mandou flores ao CT do Tricolor e prometeu paz no jogo pelo Brasileirão.

Ironicamente coube a um são-paulino entregar o buquê. Eduardo Antônio, entregador de uma floricultura do bairro Pompéia, foi o incumbido de levar o presente destinado à assessoria de imprensa tricolor.

A torcida palmeirense promete dar continuidade à brincadeira até sábado. No domingo, dia do confronto entre Palmeiras e São Paulo, no Palestra Itália, os torcedores alviverdes prometeram uma surpresa ainda maior.

- É só uma forma carinhosa de recepcionar o nosso adversário. Futebol não é guerra – disse Izidoro Lopretto, integrante da Mancha, a respeito da brincadeira

Junto com o buquê, havia uma carta ironizando a torcida adversária dizendo, inclusive, que os são-paulinos seriam bem-vindos no Palestra. Os seguranças do CT ficaram surpresos com a brincadeira. Já o assessor não mostrou nenhuma preocupação em relação à entrega e disse não se incomodar com a gozação dos rivais.

Neste ano, muitas polêmicas já envolveram o Choque-Rei. Pelo Paulistão, foram três jogos, todos cercados por problemas. No primeiro (4 a 1, em Ribeirão Preto), os são-paulinos reclamaram dos três pênaltis marcados em favor do rival.

No segundo (2 a 1, pela semifinal do Estadual, no Morumbi), foi a vez do Verdão reclamar do gol de mão marcado por Adriano. Na partida de volta da semifinais (2 a 0, no Palestra Itália), foi jogado gás no vestiário tricolor durante o intervalo.

Os dois times ainda se enfrentaram no primeiro turno do Brasileirão. No Morumbi, outra vez deu São Paulo: 2 a 1.

do Lancenet

Dízimo consignado na Igreja Adventista!

Dizimo para igreja não pode ser descontado em folha

A empresa que desconta dízimo do salário do funcionário deve devolver o valor retirado com acréscimo de juros e correção monetária. Isso porque o trabalho e a religião não se misturam. O entendimento é da 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região no caso em que a Instituição Paulista Adventista de Ensino e Assistência Social descontava 10% do salário bruto de uma funcionária para destinar ao dízimo.

A ex-funcionária foi à Justiça trabalhista. Pediu a restituição de R$ 3.618,24. A Instituição alegou que, quando a reclamante foi contratada, ela pertencia a religião e assinou um termo autorizando o desconto em folha. Mas quatro anos depois, ela pediu o cancelamento do desconto e após um período foi dispensada sem justa causa.

O desembargador relator do caso, Rovirso Aparecido Boldo, afirmou que o artigo 462, da CLT, veta a empresa de efetuar qualquer desconto nos salários do empregado, salvo quando este resultar de adiantamentos, de dispositivos de Lei ou de contrato coletivo.

Por isso, a Justiça trabalhista determinou a devolução do valor, com acréscimo de juros de 1% a cada mês descontado, o que totalizou R$ 72,36. Se caso a dívida não for executada, cabe a penhora de bens conforme prevê o artigo 883, da Consolidação das Leis do Trabalho.

O relator também se baseou na Súmula n º 381, do Tribunal Superior do Trabalho, que determina o pagamento de salários até o 5º dia útil do mês. Ultrapassada a data, deve ser aplicado o índice da correção monetária do mês subseqüente ao da prestação dos serviços, a partir do dia 1º.

O valor montante não sofrerá incidência do Imposto de Renda, por ter sido recolhido na época própria e também não está sujeito às contribuições previdenciárias.

A ex-funcionária alegou, ainda, que a Instituição lhe devia horas extras, pois todos os dias chegava antes do horário de trabalho para assistir aos cultos. Mas a turma julgadora afastou o pedido.

fonte: Revista Consultor Jurídico

Arrebatamento!


Em caso de arrebatamento, entregue este carro para minha sogra!

blog do Jasiel Botelho

Os 500 melhores filmes


Dez mil leitores, 150 cineastas e 50 críticos de cinema foram designados pela revista britânica Empire par auma missão quase impossível: eleger os 500 maiores filmes de todos os tempos. Entre os jurados estão grandes diretores como Quentin Tarantino, Pedro Almodóvar e Guillermo Del Toro.
A lista:
1. O poderoso chefão (foto), do diretor Francis Ford Coppola
2. Indiana Jones - Os caçadores da arca perdida, de Steven Spielberg
3. Star Wars episódio 5: O pério contra-ataca, de Irvin Kershner
4. Um sonho de liberdade, de Frrank Darabont
5. Tubarão, Steven Spielberg
6. Os bons companheiros (Goodfellas), de Martin Scorsese
7. Apocalypse Now, Francis Ford Coppola
8. Cantando na chuva, Gene Kelly e Stanley Donen
9. Pulp Fiction, Quentin Tarantino
10. Clube da Luta, David Fincher

fonte: Istoé

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Orkut: guerra contra comunidade de download


Uma guerra silenciosa, travada nos bastidores da principal rede social do país, preocupa internautas que baixam música pela internet. O Orkut, braço do Google que neste ano passou a ser chefiado por uma equipe brasileira, começou a deletar pedaços da sua maior comunidade dedicada a compartilhamento de arquivos MP3, a "Discografias".

O endereço existe desde 2005, conta com três administradores anônimos (Madruga, Cris e Chris) e abriga 755 mil participantes cadastrados --o número de pessoas que a utiliza efetivamente é bem maior, já que para acessar seu fórum não é preciso de inscrever. Ali, internautas compartilham links com álbuns musicais inteiros sem pagar nada.

A organização e o volume de material fez com que o endereço se tornasse uma central para quem procura esse tipo de conteúdo na rede brasileira. "É o nosso principal cliente. Em se tratando de música, ninguém tem mais arquivos que violam direitos autorais do que a 'Discografias'", diz Edner Bastos, coordenador antipirataria da APCM (Associação Antipirataria Cinema e Música), entidade que defende a propriedade intelectual.

No primeiro semestre deste ano, a APCM tirou do ar 118.750 links de filmes e músicas, 22.113 blogs e 20.332 arquivos P2P ("peer-to-peer", referentes a programas de compartilhamento como eMule) da internet. Seu principal rival, no entanto, continua de pé.

"Estamos com várias discussões com o Google, em alguns pontos eles nos ajudam", afirma Bastos. "Temos um trabalho para tirar [a comunidade "Discografias"] do ar, mas ela é muito complexa. É preciso pegar tópico por tópico para provar que todo aquele conteúdo é ilegal."

A exclusão de algumas páginas dentro da comunidade já foi sentida pelos internautas. Em uma nota divulgada na quinta-feira passada, os moderadores da "Discografias" afirmaram que "tópicos continuam a sumir e não são devolvidos. Depois que a administração do Orkut passou para o Brasil, a coisa tem piorado muito".

"Tiramos [o tópico] quando está constatado algum tipo de violação num link específico", afirma Félix Ximenes, diretor de comunicação do Google no país. Nestes casos, o Google considera primeiramente a "liberdade de expressão", diz ele. "A comunidade é legítima, porque há discussão de música também. Além disso, você sabe, a gente deleta uma, eles criam outra."

A Folha Online entrou em contato com a moderação da comunidade. Sem se identificar, aceitaram responder à reportagem sobre seu trabalho na rede social.

"Muitas bandas, hoje, tanto no Brasil quanto no exterior, assumem que não fariam sucesso se não fosse a internet. Até o Presidente da República deu uma declaração favorável na semana passada sobre 'baixar músicas da internet'. Ilegal e pirataria, na nossa opinião, é a venda de CDs piratas", afirmam.

Segundo eles, o trabalho na Discografias é um "ótimo hobby". Mesmo sob pressão, não cogitam fazer um blog ou outro tipo de fórum --só se o Google fechá-los de vez.

"É certo que muita gente só está no Orkut pelas poucas comunidades úteis e bem organizadas que sobraram, tais como a 'Discografias' e algumas outras. Com o seu fim, pensamos que o movimento no Orkut cairia consideravelmente", apostam.

da Folha Online

Rabino judeu revela o Nome do Messias antes de morrer


Poucos meses antes de morrer (em janeiro de 2006), um dos mais proeminentes rabinos da nação de Israel, Yitzhak Kaduri, supostamente escreveu o nome do Messias em uma pequena nota que ele pediu para permanecer selada até agora. Quando a nota foi aberta, revelou o que muitos têm sabido por séculos: Yehoshua, ou Yeshua (Jesus), é o Messias.

Com o nome bíblico de Jesus, o Rabino e Cabalista descreveu o Messias usando seis palavras e dando pistas de que as letras iniciais formam o nome do Messias. – A nota secreta dizia:


"Quanto às letras da abreviação do nome do Messias, Ele erguerá o povo e provará que sua palavra e lei são válidas.

Esta eu assinei no mês da graça,

Yitzhak Kaduri"


A sentença hebraica (traduzida acima em negrito) com o nome do Messias oculto é: Yarim Ha’Am Veyokhiakh Shedvaro Vetorato Omdim

As iniciais das palavras formam o nome hebraico de Jesus, Yehoshua. Yehoshua e Yeshua são eletivamente o mesmo nome, derivado da mesma raiz hebraica da palavra “salvação” como documentado em Zacarias 6:11 e Esdras 3:2. O mesmo sacerdote escreve em Esdras, “Yeshua filho de Yozadak” enquanto escreve em Zacarias “Yehoshua filho de Yohozadak”. O Sacerdote inclui a abreviação sagrada do nome de Deus, ho, no nome do pai Yozadak e no nome Yeshua.

Com um dos mais proeminentes rabinos de Israel indicando que o nome do Messias é Yeshua, pode-se entender por que o seu último desejo foi esperar um ano após a sua morte antes de revelar o que escreveu.

Quando o nome Yehoshua apareceu na mensagem de Kaduri, Judeus ultra-Ortodoxos de seu Nahalat Yitzhak Yeshiva (seminário) em Jerusalém argumentaram que seu mestre não deixou a exata solução para decodificar o nome do Messias.

A revelação recebeu pouca cobertura da mídia Israelense. Somente os websites hebraicos News First Class (Nfc) e Kaduri.net mencionaram a nota sobre o Messias, insistindo que era autêntica. O diário Hebraico Ma’ariv publicou uma história sobre a nota mas a descreveu como forjada.

Leitores Judeus responderam nos forums do website com uma mistura de sentimentos: “Então isso significa que o Rabino Kaduri era Cristão?” e “Os Cristãos estão dançando e celebrando”, estavam entre os comentários.

O Israel Today falou de dois seguidores de Kaduri em Jerusalém que admitiram que a nota era autêntica, mas confusa para os seus seguidores também. “Não fazemos idéia de como o Rabino chegou a esse nome do Messias”, um deles disse.

Outros negam completamente qualquer possibilidade de que a nota seja autêntica. O filho de Kaduri, Rabino David Kaduri, disse que no tempo em que nota foi escrita (setembro 2005), as condições físicas de seu pai tornavam impossível para ele escrever.

O RETRATO DE KADURI DO MESSIAS

Poucos meses antes de Kaduri morrer com a idade de 108 anos, ele surpreendeu seus seguidores qundo lhes disse que havia encontrado com o Messias. Kaduri deu uma mensagem em sua sinagoga no Yom Kippur, O Dia do Perdão, ensinando como reconhecer o Messias. Ele também mencionou que o Messias apareceria para Israel depois da morte de Ariel Sharon (O ex primeiro ministro está em coma há mais de dois anos depois de sofre um derrame maciço em 4 de janeiro de 2006).

Outros rabinos predisseram o mesmo, inclusive o Rabino Haim Cohen, o cabalista Nir Bem Artzi e a esposa do Rabino Haim Kneiveskzy.

O neto de Kaduri, Rabino Yosef Kaduri, disse que seu avô falou muitas vezes durante seus últimos dias sobre a vinda do Messias e a redenção através do Messias.


fonte: olhar profético

Que mico hein!!!

Em época de campanha, candidatos dão bom dia até pra manequim de porta de loja...

contribuição: Marcelo Lopes

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Ladrão que rouba ladrão...

Três homens ("ex-pastores") foram presos em flagrante por policiais militares 20º BPM (Mesquita), na Estrada de Madureira, após assaltarem uma filial da Igreja Universal do Reino de Deus em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Segundo os PMs, os acusados estavam dentro de um Gol e portavam uma pistola e uma quantia em dinheiro.

De acordo com a polícia, Wilson dos Santos Gomes, de 26 anos, Wesley Domingos Braz, de 28, e Rodrigo Miranda Kelly, de 19 anos, seriam ex-pastores da mesma igreja. Como conheciam a rotina da entidade, eles renderam o atual pastor, que se preparava para enviar o malote de dízimos à Catedral da Fé, sede da Universal, em Del Castilho, na Zona Norte. Após roubarem o dinheiro, o trio fugiu no veículo.

Sem perceberem, no entanto, os bandidos foram seguidos por um policial à paisana, que assistiu à ação. Os PMs do 20º BPM foram acionados e interceptaram os ex-pastores na Estrada de Madureira, em Nova Iguaçu. Nenhum dos ex-evangélicos tem passagens pela polícia.

Os presos, a arma, o malote e o automóvel foram encaminhados à 35ª DP (Campo Grande), onde o caso foi registrado. Lá, um novo problema. A vítima, que não teve seu nome revelado, disse que os dízimos totalizavam R$ 31 mil. Os policiais, no entanto, afirmam terem apreendido somente R$ 8 mil. Os PMs serão ouvidos ainda hoje pelo delegado de plantão.

fonte: O Globo Online

comentário: O difícil nessa história e encontrar um personagem que não seja ladrão

Carta para Ana Paula Valadão


(Não)Faz parte do meu Show


Querida Ana Paula,

“Aquilo que a memória amou fica eterno”, compôs a poeta Adélia Prado. Perscruto os escaninhos da memória e descubro meu sobrinho mal sabendo falar, mas já cantando “Se tu olhares, Senhor, pra dentro de mim”. Alguns anos se passaram e a voz do Henrique continua doce e infantil. Ao olhar para sua trajetória no período, as mudanças foram bem mais sensíveis e um tanto esquisitas, Ana. Pode seguir a tua estrela. O teu brinquedo de 'star'.

Fui um dos primeiros blogueiros a divulgar sua performance leonina em Anápolis (GO). Como apregoa o jornalismo sadio, escrevi para os amigos do Diante do Trono a fim de abrir espaço para uma eventual manifestação sua. Eles me agradeceram com a costumeira fidalguia e fizeram chegar a você a informação. Sem obter qualquer tipo de resposta, postei o vídeo. Não me arrependi, como aconteceu com outro rapaz. Até hoje o fogo da discussão permanece aceso e mesmo seus fãs mais entusiasmados coram ao relembrar a cena patética.

Pra que usar de tanta educação. Pra destilar terceiras intenções. Seu silêncio sobre o assunto durou cerca de seis meses. Em meio a uma logorréia nonsense, você creditou a Deus a responsabilidade da patacoada. Infelizmente, os resultados mostraram que o animal da tal unção estava mais para hiena do que leão, tal o nível das piadas e deboches que se seguiram.

Fiz outras visitas ao seu blog e cada dia me assustava mais com o que lia. Até mesmo atos prosaicos como escolher uma roupa eram atribuídos ao Espírito “fashion” Santo. O cinto preto largo representava autoridade e botas pretas transmitiriam “força, poder, autoridade e conforto necessário para pular e pisar com força, profeticamente, na cabeça do diabo”. Examinei meu guarda-roupa e, decepcionado, nada encontrei de “profético”. Inspirado por seus delírios, imaginei os pastores da Universal vestidos de caubóis nas sessões de descarrego. Aiôôô... Espora no capiroto, irmãos! Pequenas poções de ilusão.

Congresso do Diante do Trono. Litros de chororô e muito siri-canta-na-lagoa, perdão, na Lagoinha. Aliás, ainda não consegui entender o porquê de tantas palavras estranhas em línguas (a ordem pouco importa, no caso) nos eventos públicos. Se contrariar a instrução paulina sobre esse assunto fosse estratagema eficaz, dona Sonia Hernandes estaria livremente batendo suas canelas episcopais em solo verde-amarelo. E sem a tornozeleira com GPS. Quem sabe eu ainda sou uma garotinha...

“Os teatros serão fechadas para peças evangelísticas... O Senhor fará novelas para o povo brasileiro... Cairá todo meio de comunicação que não glorifica o Senhor...” Socorro, Ana Paula! Isso foi ato profético ou visão de um dos círculos do Inferno de Dante? Tô cansado de tanta caretice, tanta babaquice. Desta eterna falta do que falar. Deus nos livre de Racine, Beckett e Molière serem substituídos pela trupe gospel. Proscênio não é picadeiro, com todo respeito aos artistas circenses.

Soube que rolou também a tal “unção do chulé”. Em vez de incentivar o serviço humilde, o ato foi criativamente entremeado por afirmações de que você e seu irmão seriam “curados” das críticas. No final da mis-en-scène burlesca, a água do “rio de Deus” foi jogada sobre os espectadores. Bobeira é não viver a realidade.

Infelizmente, o espaço nobre de que disponho aqui é inversamente proporcional à sua capacidade de protagonizar episódios bizarros. Você explicou que apareceu num programa brega de óculos escuros por causa de conjuntivite. Pela sucessão de “causos”, suponho que seja miopia crônica mesmo. Vide o lance da morte do fundador do Bloco Galo da Madrugada. Temo pelo futuro das reuniões de oração no país se você continuar a repetir que essas sandices são resultado de intercessão. O que me anima é ver o número crescente de pessoas discutindo bereanamente cada uma dessas ocorrências. Estamos meu bem por um triz pro dia nascer feliz.

Que Deus reavive em você o desejo de receber um “novo coração”. Quem teve a graça de ser aquinhoada com muitos talentos será intensamente cobrada, não é? Isso me motiva a interceder para que não se realizem em sua vida outros versos do poeta Agenor: O seu futuro é duvidoso; eu vejo grana, eu vejo dor. Minhas palavras podem parecer histriônicas, mas é genuíno meu desejo de ver águas purificadoras (ainda mais que as do Lete) banhando ministérios de música em todo o país, Ana. Tenho investido minha vida nesse intento, por isso jamais vou me calar, querida. Amando eu me acalmo e me desespero.

Big abraço

PS.: As preferências musicais do Henrique mudaram bastante. Hoje ele curte Akon, Boyz II Men e Queen. Prometi um CD do Cazuza para o espertíssimo garoto. =]



Texto de Sérgio Pavarini, Cristianismo Criativo


Jovem brasileiro se preocupa com guerra


Enquanto a crise financeira tira o sono dos adultos, a preocupação de grande parte dos adolescentes é com a possibilidade de uma Terceira Grande Guerra. Pesquisa feita pela comunidade virtual Habbo Hotel - que reúne 10,5 milhões de usuários por mês em todo o mundo, a maioria entre 13 e 17 anos - e a War Child, ONG internacional de proteção a crianças afetadas pela guerra, revela que 41% dos adolescentes acredita que vai presenciar a Terceira Guerra Mundial.

Os mais convictos dessa possibilidade são os jovens americanos (58%) e os que menos acreditam que isso vai acontecer são os japoneses (25%). O levantamento ouviu 32 mil adolescentes de pouco mais de 20 países, sobre guerras, violência e responsabilidade política sobre os conflitos. As respostas de Brasil e Portugal foram unificadas (assim como as de Suíça e Áustria e as de Espanha e América Latina). Mas Portugal representa só 10% dos entrevistados. Por aqui, quase a metade dos jovens (49%) acredita que vai vivenciar a Terceira Grande Guerra.

A Sulake Corporation, empresa voltada ao entretenimento on-line, que administra o Habbo Hotel (lê-se "rabô"), realizou no fim de 2007 uma ampla pesquisa com os usuários da comunidade em todo o mundo, procurando identificar seus hábitos de consumo e suas perspectivas em relação ao futuro. Uma das perguntas era: "Quando você pensa sobre o futuro, quanto as coisas abaixo preocupam você?". Entre as opções, estavam aquecimento global, racismo, terrorismo, acidentes nucleares etc.

"Dos entrevistados, 87% temem uma nova guerra mundial e 86% têm receio de que seus países venham a se envolver numa guerra", diz Alisson Pedro, country manager do Habbo Hotel no Brasil e em Portugal. Por isso, a Sulake decidiu organizar uma nova pesquisa este ano, concentrada em conflitos.

Os brasileiros e os portugueses são os mais preocupados com conflitos globais (75%), seguidos pelos japoneses (65%). Os menores índices nesse quesito estão na Suécia (26%) e Holanda (23%). Para os entrevistados, as principais causas de disputas são a briga por recursos naturais (petróleo, diamantes e terras), diferenças religiosas ou políticas e governos corruptos.

Quase metade dos jovens brasileiros, surpreendentemente, concorda com o alistamento militar obrigatório (49%). Os adolescentes que mais aceitam a idéia são os de Cingapura (74%), Rússia (73%) e Noruega (62%). No Japão, esse percentual é de 8% e na Holanda, de 12%.

Mas os brasileiros (51%) estão entre os menos informados sobre o recrutamento de crianças abaixo dos sete anos de idade como soldados em conflitos armados. Por outro lado, a maioria dos usuários que mora no Brasil (68%) mostra-se muito mais solidária do que os franceses (26%) ou os finlandeses (29%) em diminuir os efeitos negativos da guerra. No mundo, as opções mais citadas nesse sentido foram se tornar um voluntário em organizações que ajudam crianças atingidas pela guerra e criar um grupo no Habbo Hotel ou outra comunidade virtual para chamar a atenção sobre o assunto.

O Brasil é o terceiro país em número de visitantes únicos, com 1,5 milhão de usuários. Só perde para os Estados Unidos, segundo colocado, e Espanha e América Latina, que reúnem todos os usuários de língua hispânica. "Mas temos potencial para ultrapassar, em breve, o mercado americano, que tem menos de 2 milhões de usuários", diz Pedro.

Daniele Madureira, do jornal Valor Econômico