terça-feira, 13 de novembro de 2007

Há solução para tanta sujeira

Não faço nem idéia de quantas pilhas de entulho e sujeira vejo diariamente no percurso casa- trabalho, trabalho-casa. É um absurdo! E ninguém faz nada para mudar esta situação. Então, são sempre as mesmas pilhas de lixo (que não param de crescer nunca) nos mesmos locais. Veja este caso da foto, por exemplo, o espaço que está embaixo do Viaduto Pacheco Chaves (Ipiranga-V. Prudente). O local é um antro de imundícies, com muita sujeira, entulho, fogueira e até restos de carros alegóricos de carnaval. De vez em quando, aparece algum caminhão da Prefeitura e retira um pouquinho do lixo, mas é tanto entulho que, neste ritmo, nunca vão conseguir limpar nada lá.

Agora, uma pergunta interessante. Não seria melhor(e mais barato) impedir que o entulho seja jogado nestes pontos? E, afinal, quem faz toda esta sujeira?
Respondo: Somos todos nós.
"Não tenho nada a ver com isso", alguém pode dizer. Mas a verdade é que a maioria do entulho é caseiro, ou seja, são restos de móveis, sofás, cadeiras e até reformas e construções. Muita gente faz isso. E os mesmos que jogam o lixo no local, são os mesmos que reclamam da enchente que aconteceu porque era tanto lixo que entupiu as bocas de lobo e galerias pluviais e de esgoto.

"Mas eu nunca joguei entulho na rua", você pode replicar. Acontece que, numa cidade como São Paulo, onde a corrupção impera, mesmos os cidadãos de bem podem contribuir para a manutenção do sistema da sujeira, isto sem saber.
Explico: Muita gente contrata o serviço de carroceiros, caminhoneiros ou empresas que cobram pra recolher o lixo (entulho, normalmente) de nossas reformas e construções. Estou falando daquelas conhecidas CAÇAMBAS mesmo.
Pois é, quando alguém contrata o serviço destas caçambas, imagina que o entulho será recolhido e levado para um dos 2 aterros sanitários mantidos pela Prefeitura: aterro Bandeirantes e São João. Deveria ser, mas não é isto que acontece.
Como os dois aterros sanitários da Prefeitura dicam em pontos distantes da capital, muitas destas empresas encontraram uma maneira de economizar combustível, tempo e dinheiro. Assim, elas recolhem o entulho na sua casa, viram a esquina e despejam tudo em algum lugar próximo (normalmente são sempre os mesmos pontos).

Para dificultar a fiscalização( que já não existe), eles costumam fazer isto sempre à noite. A Secretaria de Serviços estima que existam na Capital 25 mil caçambas. Entre 40 a 50% delas está em situação irregular e despeja os resíduos em locais não permitidos. Portanto, quando for se livrar do entulho da reforma da casa, exija que a empresa mostre seu alvará ou registro na Prefeitura.

Mesmo assim, perceba que estes são os números da Prefeitura. Eu, pessoalmente, acredito que existam ainda mais. Sem falar que, quem me garante, que todos os regulares jogam realmente nos aterros e cumprem as determinações da administração municipal. A sujeira nesta Cidade se tornou uma indústria, ou melhor, uma máfia que atua tanto na legalidade quanto na ilegalidade. É frustrante para alguém que tem esperança de uma São Paulo melhor.

Como fazer parar aqueles que jogam lixo nas calçadas, na calada da noite? A prefeitura limpa e, no dia seguinte, algum imbecil joga mais lixo ainda no mesmo lugar. É hora de parar com esse jogo de gato e rato, usar a inteligência e agir nas causas do problema!! Para começar, que tal uma campanha maciça educação sobre coleta seletiva e destinação correta de resíduos. Além de diminuir a sujeira, isto teria um impacto imenso na saúde e qualidade de vida das pessoas. Outra coisa importante seria criar um mecanismo na lei que puna severamente quem for pego jogando lixo na rua.

Agora, para acabar com a máfia, só a polícia e a fiscalização da Prefeitura. Estes poderiam fazer "tocaias" nos principais pontos de desova de entulho da cidade. Então poderiam, prender os criminosos em flagrante. Mas porque será que ninguém faz nada disso? Me parece que alguém deve estar lucrando muito com toda essa situação. E eu que não sou.

Nenhum comentário: